|Palestina

Palestina condena incentivos israelitas à mudança de embaixadas para Jerusalém

Yisrael Katz anunciou um plano de milhões para convencer países a mudar as embaixadas de Telavive. «A medida evidencia o fiasco da política israelita sobre a questão de Jerusalém», afirmam os palestinianos.

Israel prepara-se para pagar milhões para que países mudem embaixadas de Telavive para Jerusalém
Israel prepara-se para pagar milhões para que países mudem embaixadas de Telavive para Jerusalém Créditos / HispanTV

O ministro palestiniano dos Negócios Estrangeiros, Riyad al-Maliki, anunciou esta segunda-feira que o seu país irá interpor acções no Tribunal Internacional de Justiça contra qualquer país que, motivado pelo plano recente anunciado por Israel, mude a sua embaixada neste país de Telavive para Jerusalém ocupada, refere a TeleSur.

No domingo passado, um jornal israelita noticiou que o ministro dos Negócios Estrangeiros, Yisrael Katz, está a preparar um plano, num valor que ronda os 15 milhões de dólares, para «incentivar» países a mudar as suas embaixadas para Jerusalém.

«Esta nova medida é mais uma prova do fiasco da política de Israel para levar a que os países reconheçam o seu domínio sobre Jerusalém», disse Al-Maliki, citado pela TeleSur.

O diplomata palestiniano acrescentou que «este apelo mostra como o governo israelita insiste em recorrer à chantagem política e à exploração das necessidades de alguns países para que alterem a sua posição relativamente às resoluções das Nações Unidas que afirmam que Jerusalém Oriental é parte integrante do território palestiniano ocupado desde 1967».

Al-Maliki, que se mostrou confiante no fracasso do plano «eleitoralista» de Katz, sublinhou que ele terá o mesmo destino das constantes tentativas norte-americanas e israelitas de levar os estados a deixar se seguir o direito e a legalidade internacionais.

«Reforçar a soberania de Israel» sobre Jerusalém

O plano anunciado, ainda não aprovado pelo executivo israelita, foi caracterizado por Katz como «um objectivo estratégico, nacional e diplomático de primeira ordem».

À imprensa israelita, Katz sublinhou a necessidade de «reforçar a soberania de Israel sobre Jerusalém», dando a entender que o facto de apenas dois países terem mudado, até ao momento, as suas embaixadas de Telavive para Jerusalém – EUA e Guatemala – fica aquém do esperado.

O estatuto de Jerusalém – e de Jerusalém Oriental – é um elemento fulcral para os palestinianos, que viram a cidade ser ocupada na guerra de 1967. Em 1980, Israel declarou a cidade como a sua capital indivisível, mas tal passo não foi reconhecido pela comunidade internacional.

Os defensores da tese dos dois estados advogam que a Palestina terá Jerusalém Oriental como sua capital. No entanto, Israel tem em curso a judaização, colonização e anexação progressiva da cidade, que ganhou intensidade após o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel pela administração norte-americana, em Dezembro de 2017.

Tópico