|Brasil

«Pacotaço» aprovado em Curitiba no meio de grande repressão

O município de Curitiba votou e aprovou, esta segunda-feira, o chamado «pacotaço do Greca», um conjunto de medidas de austeridade contra as quais milhares de manifestantes protestaram nas ruas. A Polícia carregou de forma violenta e há várias pessoas hospitalizadas.

https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/brasil-curitiba-midia.jpg?itok=QMpx2oT3
Milhares de funcionários municipais protestaram contra as medidas de austeridade no município de Curitiba e a Polícia respondeu com violência
Milhares de funcionários municipais protestaram contra as medidas de austeridade no município de Curitiba e a Polícia respondeu com violênciaCréditos / Mídia Ninja

No passado dia 20, os habitantes da capital paranaense, em particular os funcionários municipais, já tinham deixado clara a sua discordância com o Plano de Recuperação da Prefeitura de Curitiba, apresentado pelo prefeito, Rafael Greca (do Partido da Mobilização Nacional), tendo ocupado a Câmara de Vereadores e forçado a suspensão da sua votação.

As organizações representativas dos trabalhadores municipais denunciam que os projectos de lei conhecidos como o «pacotaço do Greca» retiram direitos conquistados, nomeadamente por estabelecerem um limite de despesas, aumentarem a percentagem de contribuição dos funcionários para o sistema de Previdência e por congelarem a progressão na carreira.

Ontem, cerca de 7000 manifestantes concentraram-se no Parque São Lourenço, seguindo depois a pé até à Ópera de Arame, teatro e ponto turístico da cidade para onde a votação do «pacotaço» foi levada, por questões de segurança e por sugestão da Secretaria de Segurança Pública do Paraná, indica o Brasil de Fato.

Apesar de cercado por mil efectivos da polícia, os manifestantes tentaram ocupar o edifício da Ópera de Arame e, como reposta, «foram brutalmente atacados pela cavalaria e pelas tropas de choque da Polícia Militar».

A polícia recorreu a bombas de gás lacrimogéneo, gás de pimenta e balas de borracha. De acordo com informações divulgadas pelo Sindicato dos Servidores Municipais de Curitiba (Sismuc), dez pessoas foram hospitalizadas – três delas em estado grave. Um trabalhador foi atingido na cabeça por uma bala de borracha e recebeu os primeiros socorros no local.

Ao Brasil de Fato, Patrícia da Rosa Mendonça Machado, directora da Associação dos Servidores Municipais de Curitiba (Asmec), manifestou-se «indignada» com o que se passou nesta segunda-feira em Curitiba, no Sul do Brasil, tendo referido que «a precarização dos serviços públicos [é] outra forma de ataque aos trabalhadores».

Jociane Silva, professora, também criticou a administração municipal: «Isto que está acontecendo aqui é um assalto aos direitos dos servidores públicos. Sem serviço público de qualidade, quem vai padecer é a população», alertou.

Tópico

0 Comentários

no artigo "«Pacotaço» aprovado em Curitiba no meio de grande repressão