|Palestina

Não abrandam os protestos contra a ocupação e os colonatos

As tropas israelitas reprimiram os protestos desta sexta-feira contra os colonatos. Um rapaz não resistiu aos ferimentos em Gaza. A Unicef informou que Israel matou 9 crianças palestinianas em 2 meses.

Manifestantes palestinianos repelem latas de gás lacrimogéneo disparadas por forças israelitas durante os confrontos que se seguiram à manifestação contra o colonato de Eviatar, na localidade de Beita, no Norte da Cisjordânia ocupada, a 27 de Agosto de 2021 
Manifestantes palestinianos repelem latas de gás lacrimogéneo disparadas por forças israelitas durante os confrontos que se seguiram à manifestação contra o colonato de Eviatar, na localidade de Beita, no Norte da Cisjordânia ocupada, a 27 de Agosto de 2021 Créditos / PressTV

Pelo menos dois manifestantes foram atingidos com balas de borracha disparadas pelas tropas israelitas na localidade de Beita, a sul de Nablus. O serviço de ambulâncias do Crescente Vermelho Palestiniano revelou que outros 26 palestinianos sofreram problemas respiratórios devido à inalação de gás lacrimogéneo.

Desde Maio, Beita tem sido palco de fortes confrontos entre as forças de ocupação e a população palestiniana, que protesta contra a construção do colonato judaico de Eviatar no cimo do Monte Sabih, bem como contra o confisco de terras dos aldeãos da região.

Também na sexta-feira, as forças israelitas dispararam numerosos cartuchos de gás lacrimogéneo, balas de borracha e granadas de atordoamento contra manifestantes palestinianos em Kafr Qaddum, no distrito de Qalqiliya (Margem Ocidental ocupada), ferindo dezenas deles.

Pelo menos oito foram atingidos por balas de borracha e dezenas sofreram de asfixia devido à inalação de gás lacrimogéneo lançado pelas forças israelitas, refere a PressTV.

As tropas israelitas também atacaram um protesto na aldeia de Umm al-Shaqhan, a sul de al-Khalil (Hebron), contra a expansão de um colonato e os ataques frequentes de colonos israelitas tanto a palestinianos como às suas propriedades.

No protesto, revela a fonte, os manifestantes vincaram a sua determinação em proteger a terra e minar os planos israelitas de expandir os colonatos, que são ilegais à luz do direito internacional. Vários palestinianos, activistas solidários estrangeiros e oito jornalistas foram presos.

Rapaz de Gaza, atingido a tiro por forças israelitas, sucumbe aos ferimentos

Omar Hasan Abu an-Neel, de 12 anos, faleceu este sábado, depois de ter ficado gravemente ferido na semana passada, em protestos junto à vedação com que Israel cerca a Faixa de Gaza.

Fontes médicas disseram à WAFA que o rapaz, residente no bairro de Tuffah, na cidade de Gaza, não resistiu aos ferimentos, depois de ter sido atingido a tiro pelas forças israelitas, uma semana antes, num protesto no Nordeste do enclave cercado, junto à vedação.

O jovem, ferido na cabeça, foi levado de imediato para um hospital, onde foi operado e se manteve em estado crítico.

Abu an-Neel é o segundo palestiniano a morrer dos ferimentos sofridos naquele protesto, em defesa de Jerusalém, contra os ataques frequentes dos israelitas à mesquita de al-Aqsa e para assinalar o incêndio desta mesquita, há 52 anos.

Osama Khaled Deij, de 32 anos, do campo de refugiados de Jabaliya, perto da cidade Gaza, faleceu no Hospital al-Shifa poucos dias de ter sido atingido a tiro pelas tropas israelitas, não resistindo aos ferimentos.

Pelo menos 41 palestinianos ficaram feridos no protesto de 21 de Agosto, a maior parte dos quais com disparos nos membros, nas costas e no abdómen, informou o Ministério da Saúde em Gaza.

Mais de quatro dezenas de palestinianos ficaram feridos e dois faleceram na sequência dos disparos efectuados pelas forças israelitas contra o protesto junto à vedação do enclave no passado dia 21 / Al Jazeera

Unicef: Israel matou nove crianças e feriu 556 na Margem Ocidental em dois meses

Num relatório divulgado esta semana, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) revelou que nove crianças palestinianas tinham sido mortas na Margem Ocidental ocupada e Jerusalém Oriental pelas forças israelitas entre 7 de Maio e 31 de Julho.

«As tensões continuam na Margem ocidental, incluindo Jerusalém Oriental. Nove crianças palestinianas foram mortas entre 7 de Maio e 31 de Julho, e 556 crianças foram registadas como feridas, também por fogo real, balas de aço revestidas de borracha, granadas de atordoamento e gás lacrimogéneo», aponta o informe da Unicef.

No mesmo período, pelo menos 170 crianças foram presas em Jerusalém Oriental ocupada, segundo o documento.

De acordo com a agência das Nações Unidas, 2,5 milhões de pessoas, incluindo 1,2 milhões de crianças, a viver na Faixa de Gaza cercada e na Margem Ocidental ocupada, incluindo Jerusalém Oriental, necessitam actualmente de ajuda humanitária.

O organismo sublinhou que a situação humanitária se deteriorou recentemente com a escalada da tensão em Jerusalém Oriental, a agressão israelita a Gaza em Maio e a pandemia de Covid-19.

«Tendo em conta a escalada recente, o apelo humanitário para as necessidades das crianças em 2021 aumentou para 46,2 milhões de dólares no total, sendo que 31,5 milhões (68%) estão por financiar», referiu.

Tópico