|Palestina

Jovem palestiniano de 13 anos assassinado por Israel

Centenas de palestinianos participaram ontem no funeral de Ali Abu Alayya, morto na véspera por soldados israelitas que reprimiam uma manifestação contra a instalação de colonatos na Cisjordânia.

Palestinianos transportam o corpo do jovem Ali Abu Alayya durante o funeral do jovem assassinado por tropas israelitas, em Al-Mughayyer, Palestina, a 5 de Dezembro de 2020
Palestinianos transportam o corpo do jovem Ali Abu Alayya durante o funeral do jovem assassinado por tropas israelitas, em Al-Mughayyer, Palestina, a 5 de Dezembro de 2020 CréditosHuthayfa Srour / WAFA Images

O funeral partiu do hospital de Ramallah na manhã de sábado, em direcção ao cemitério de Al-Mughayyer, onde o corpo foi sepultado, noticiou a agência Wafa.

Centenas de palestinianos marcharam de Ramallah e assistiram à cerimónia fúnebre, apesar das restrições impostas pela epidemia de coronavírus na Cisjordânia.

O presidente da câmara de Al-Mughayyer declarou à Wafa que Ali Abu Alayya, de 13 anos, foi abatido a tiro por um soldado israelita durante protestos contra o estabelecimento de um novo colonato ilegal na zona. Ferido com gravidade no estômago, foi transportado para o hospital de Ramallah, onde veio a falecer.

Segundo a autoridade local, verificaram-se outros feridos por balas de borracha embora sem necessitarem de tratamento hospitalar.

As tropas ocupantes negaram o uso de munição real na manifestação, mas uma fotografia publicada no twitter mostra o jovem com o estômago perfurado por um tiro.

Desde a ocupação da Cisjordânia em 1967, Israel já estabeleceu mais de 450 mil colonos ilegais no território e continua a construir novos colonatos ilegais, ao arrepio das leis e convenções internacionais e das decisões da Organização das Nações Unidas (ONU).

Na foto da esquerda, Ali Abu-Alayya após ter sido atingido no abdómen por um soldado israelita em Al-Mughayyer, Cisjordânia, a 4 de Dezembro de 2020. O buraco da bala é visível. O jovem, de 13 anos, veio a falecer no hospital de Ramallah Créditos

Condenação palestiniana e internacional

O primeiro-ministro palestiniano Mohammad Shtayyeh descreveu o incidente como «um novo crime na já longa lista da ocupação». A presidência da Autoridade Palestiniana apelou à comunidade internacional para «garantir protecção para o nosso povo, pôr fim à ocupaçãao e estabelecer um Estado Palestino independente e com Jerusalém Leste como capital.

Hanan Ashrawi, dirigente da Organização da Libertação da Palestina (OLP), lembrou que «usar crianças como alvo de munição real é uma flagrante violação das leis e convenções internacionais, incluindo a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança, ratificada por Israel em 1991».

O enviado especial da ONU para o Médio Oriente, Nikolai Mladenov, exprimiu no twitter a sua consternação pela morte do jovem e desafiou Israel a investigar «rápida e independentemente este chocante e inaceitável incidente».

A delegação da União Europeia para os Palestinianos juntou-se ao pedido de investigação deste «crime de guerra», afirmando no twitter que a mesma deve ser conduzida «de forma a trazer os perpetradores perante a justiça», sublinhando o reiterado «uso de força letal excessiva por parte das forças de segurança israelitas» contra crianças e jovens palestinianos.

A congressista norte-americana Betty McCollum denunciou hoje a morte do jovem como «um grotesco assassinato patrocinado pelo Estado [de Israel]» e «um resultado directo da permanente ocupação militar da Palestina», e pediu à nova administração do presidente eleito Joe Biden para investigar o incidente e «assegurar ao povo americano que nenhuma ajuda militar a Israel paga pelos contribuintes permitiu tirar a vida a esta criança».

Em Israel, o jornalista Gideon Levy escreveu no Haaretz que «ninguém pode ficar indiferente à vista desta face inocente na sua última imagem», apesar de reconhecer que em Israel «ninguém mostrou interesse, durante o fim-de-semana, pela morte de uma criança, uma criança mais».

O jovem, referiu Levy, não fazia mais do que participar no protesto semanal contra os «selvagens e violentos postos avançados que se expandem do colonato de Kokhav Hashahar, tomando o que resta da terra [palestiniana] em Al-Mughayyer».

O jornalista, um especialista do conflito israelo-palestiniano, afirmou que «não há luta mais justa que a travada neste local» e acresscentou que «não há nada mais odioso do que disparar munições reais contra manifestantes e não existe a possibilidade de que o disparo sobre o abdómen de Ali tenha qualquer justificação».

Tópico