|Um outro Mundial

Identidade, cultura e o jogo de Portugal

Se a falta de tempo para treinar leva a identidades menos definidas, os jogos de seleções são um campo perfeito para entender como se afirma a cultura de uma equipa em campo. Campo onde a história nunca acaba, mesmo quando se convive com o legado de um dos melhores do mundo.

CréditosAli Haider / EPA

No futebol, ter uma identidade é ser-se quem se é. Normalmente, essa identidade é construída. Através do planeamento do treinador e dos processos de treino, constrói-se uma ideia de um jogar que se procura replicar em campo. O exercício de transformar ideias em concretizações, no futebol e na vida, choca sempre com os obstáculos que se encontram. Dentro do campo, uma outra equipa nas exatas condições que transportamos, luta por um objetivo semelhante. Daí que, tantas vezes, aquilo que projetamos acabe por não acontecer. Pelo menos na exata medida das nossas ambições. O que o jogo nos ensina é que os caminhos se fazem nos terrenos que se encontram. A nossa capacidade de entender a melhor forma para chegar ao golo é aquilo que é realmente testado.

Fernando Santos sempre se queixou de, numa seleção, não ter tempo para treinar. Provavelmente uma ideia que já terá passado pela cabeça de Didier Deschamps ou Gareth Southgate. Daí que, ao contrário dos clubes, seja bastante mais difícil de encontrar essa identidade singular nos jogos de seleções. O que muitas vezes nos salta à vista é a cultura de jogo de um país, de um conjunto de jogadores, mais do que o génio de um treinador. Para melhor expressar uma cultura, no entanto, é necessário que ninguém se meta no caminho a limitar essa demonstração. É disso que os selecionadores acabam por ser acusados. De inverter, pelas suas escolhas, um caminho natural que aparece aos olhos dos adeptos na conjugação do melhor onze, daquele que reúne os melhores jogadores.

Mas dentro de um grupo de atletas, os melhores juízos são sempre aqueles que são feitos com os dados de quem nele vive. Longa e dolorosa injustiça para quem tem de falar ou escrever sobre isso (mea culpa, mea culpa!). Até porque aquilo que uma cultura desvenda nunca é uma ligação direta entre os elementos. Bem pelo contrário. O mundo em que hoje vivemos mescla tradições e origens, conjuga conhecimentos e informações, reparte por diferentes caixas a maneira como crescemos e nos entendemos uns aos outros. Essa diversidade é um desafio para quem está na linha da frente para organizar uma equipa que representa um país. Mas é também por aí que os selecionadores percebem como podem passar, de um dia para o outro, de culpados a salvadores. Não é tanto uma questão de sorte ou azar. É só mesmo preciso que, no momento certo, tudo esteja alinhado para que a bola entre.

O campo é uma história sem fim

Não foi no Catar que Portugal deixou de ser a equipa do melhor do mundo. Esse período de transição iniciou-se no outono de 2018, quando, depois da desilusão do Mundial da Rússia, Cristiano Ronaldo se focou na sua integração na Juventus e deixou a equipa entregue a uma nova geração para a fase de grupos da Liga das Nações. Nesse momento, Portugal mostrou que poderia bem ser a equipa de Bernardo Silva, fortalecida num conjunto de jogadores que ofereciam uma capacidade competitiva que permitia que a Seleção se mantivesse entre as melhores. Os últimos quatro anos viveram-se com duas realidades paralelas. O Portugal de uma dinâmica de jogo nova conjugado com um ponta-de-lança que continuava a transformar em golo cada bola que tocava.

Aquilo que acabou por se confirmar no Catar foi um processo histórico de transformação de uma equipa. Se todas as polémicas que rodeiam Cristiano Ronaldo nestes últimos meses parecem transformar o acontecimento numa telenovela, a verdade é que é o rendimento desportivo a ditar as transformações. Da tal identidade não trabalhada, emerge uma cultura que tem tudo que ver com a maioria dos jogadores da Seleção.

«Aquilo que acabou por se confirmar no Catar foi um processo histórico de transformação de uma equipa.»

Dinâmicas de liberdade e de criação de espaço, enorme solidariedade na maneira como se rodam posições, talento e criatividade para engendrar respostas aos esquemas defensivos rivais. O enorme legado de Cristiano Ronaldo encontra-se, aqui, com o enorme potencial de uma equipa que tem outros horizontes para alcançar o mesmo objetivo. Porque no campo a história nunca acaba.


O autor escreve ao abrigo do Acordo Ortográfico de 1990 (AO90)

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui