|Síria

Exército sírio atacado por aviões da «coligação internacional»

Caças da coligação liderada pelos EUA atacaram esta madrugada posições do Exército sírio na província de Deir ez-Zor. O ataque ocorre um dia depois de o Exército ter repelido uma ofensiva do Daesh.

Caças da coligação internacional liderada pelos EUA na Síria
Caças da coligação internacional liderada pelos EUA na SíriaCréditos / Sputnik News

De acordo com a agência SANA, que cita fontes militares, o ataque da chamada «coligação internacional» ocorreu na madrugada desta quinta-feira e teve como alvo posições do Exército Árabe Sírio (EAS) localizadas na província de Deir ez-Zor, entre Al-Bukamal e Hmeimeh.

O ataque, que provocou danos materiais, «enquadra-se no contexto de apoio explícito da coligação às organizações terroristas», indica a mesma fonte.

De acordo com a SANA, esta acção dos caças da coligação liderada pelos EUA dá-se menos de 24 horas depois de o EAS e seus aliados terem repelido uma forte ofensiva do Daesh (o chamado Estado Islâmico) contra várias posições suas no deserto, junto a Al-Mayadin, localidade a cerca de 44 quilómetros a sudeste da cidade de Deir ez-Zor.

Contactadas pela Reuters, fontes militares norte-americanas afirmaram não ter qualquer conhecimento do ataque desta madrugada.

Dizem que o alvo é o Daesh

Alegando estar a atacar posições do Daesh, a coligação liderada pelos norte-americanos opera na Síria desde Setembro de 2014, sem autorização do governo de Damasco ou um mandato das Nações Unidas.

Esta aliança militar – na qual a França se tem empenhado mais afincadamente nos últimos dois meses, com registos evidentes no terreno – tem sido sistematicamente acusada de atingir a população civil e de não cumprir o objectivo que sempre disse perseguir: destruir o Daesh.

De forma reiterada, o governo de Damasco denunciou, junto de instâncias internacionais, como as Nações Unidas e o seu Conselho de Segurança, os massacres perpetrados por esta coligação, sobretudo nas províncias de Deir ez-Zor e Raqqa. De acordo com as autoridades sírias, os ataques desta coligação provocaram a morte a centenas de civis, sobretudo nas duas províncias referidas.

Para além disso, os caças da coligação liderada pelos EUA atacaram as posições do Exército sírio e seus aliados em mais do que uma ocasião, tendo o caso mais grave ocorrido em Setembro de 2016 nas imediações de Deir ez-Zor. Nesse ataque, que deu uma ajuda preciosa ao Daesh no campo de batalha, foram mortos, «por erro», perto de uma centena de soldados sírios e outros tantos ficaram feridos.

Tópico