|Cuba

Cuba prevê para Abril um milhão de doses de vacinas

Cuba deve chegar em Abril a um milhão de doses de vacinas Soberanas contra a Covid-19 e para tal já começou a aumentar o nível de produção, informou o director do Instituto Finlay, Vicente Vérez.

O Interferón revelou-se um medicamento eficaz no tratamento (não na cura) da Covid-19, tendo sido adoptado pelas autoridades sanitárias chinesas no combate à doença
O primeiro projecto de vacina que se apresentou na ilha caribenha teve lugar em Agosto de 2020 CréditosLiu Dawei / Xinhua

Ao intervir anteontem no programa de televisão «Mesa Redonda», o especialista precisou que, actualmente, se está no processo de fabrico de 100 mil doses para apoiar de forma segura os testes clínicos das candidatas Soberana 01 e Soberana 02.

Vicente Vérez sublinhou que a Soberana 02 deve iniciar a terceira fase dos testes no próximo dia 1 de Março, com 42 600 voluntários, para os quais estão garantidas as doses necessárias, informa a Prensa Latina.

A este respeito, o presidente do Grupo Empresarial de Indústrias Biotecnológica e Farmacêutica, Eduardo Martínez, destacou que o país caribenho possui capacidade de resposta para levar por diante estes processos e que, no futuro, haverá ainda mais, de modo a garantir em simultâneo a produção das quatro vacinas cubanas (Soberana 01, 02, Mambisa e Abdala).

Sobre o esquema de imunização na terceira etapa de testes com a Soberana 02, Vérez explicou que serão utilizadas duas doses mais uma – esta última pode ser tanto da mesma candidata ou da Soberana 01 como um reforço para induzir uma resposta imune de neutralização viral.

Produzir 100 milhões de doses da Soberana 02

Cuba trabalha actualmente para produzir 100 milhões de doses da Soberana 02, com o objectivo de satisfazer as necessidades do país e as de outros que estejam interessados na vacina.

Ainda segundo a agência cubana, Vicente Vérez afirmou que a estratégia de a comercializar possui uma combinação de humanidade e de impacto na saúde mundial.

O especialista do Instituto Finlay, de Havana, acrescentou que todos os estrangeiros que cheguem ao país e queiram vacinar-se com a Soberana 02 ou alguma das outras candidatas que estão a ser desenvolvidas em Cuba podem fazê-lo.

«Não somos uma multinacional, onde o objectivo financeiro é a razão número um; o nosso fim é criar mais saúde», afirmou Vérez, explicando ainda que, no final de Fevereiro, terá início o ensaio clínico de ambos os produtos injectáveis (Soberana 01 e 02) na população pediátrica, abrangendo pacientes entre os cinco e os 18 anos de idade.

Sobre a razão de Cuba apostar em quatro candidatas para fazer frente à actual pandemia, Eduardo Martínez afirmou que a decisão se ficou a dever ao facto de que o país não podia ter apenas uma opção, na medida em que, se não fosse eficaz, isso faria retroceder os processos científicos.

Tópico