|Espanha

Continua a luta dos trabalhadores metalúrgicos em Cádis, com grande manifestação

O oitavo dia de greve por tempo indeterminado, que abrange mais de 20 mil trabalhadores do sector na província gaditana, ficou marcado por uma grande mobilização de apoio e por cargas policiais.

Créditos / diariodecadiz.es

O Conselho Andaluz de Relações Laborais, órgão de mediação da Junta da Andaluzia, acolheu esta segunda-feira na sua sede, em Sevilha, a terceira reunião entre as partes desde o início da greve por tempo indeterminado, que terminou esta madrugada como as duas primeiras, sem acordo. Um dirigente da UGT disse à EFE que o patronato «não alterou o seu posicionamento».

Os trabalhadores do sector, que em Cádis ocupam mais de 20 mil postos de trabalho, decidiram partir para a greve para exigir a renovação do acordo colectivo, que caducou em Dezembro de 2020, o seu cumprimento, aumentos salariais e impedir despedimentos.

Com o fracasso na terceira ronda negocial entre organizações representativas dos trabalhadores e a Federação de Empresas do Metal de Cádis, as partes decidiram voltar a encontrar-se já amanhã para continuar a dialogar.

Entretanto, a greve prossegue. Esta terça-feira, oitavo dia consecutivo de paralisação dos trabalhadores do sector metalúrgico na província gaditana, ficou marcado por uma manifestação de apoio aos operários, à qual se juntou o Sindicato de Estudiantes, e que, segundo foi anunciado pela imprensa, deveria contar com a presença de dirigentes políticos regionais e provinciais de esquerda.

Milhares de pessoas manifestaram-se esta terça-feira em apoio aos trabalhadores metalúrgicos em greve / @iDiarioEs

No decorrer da mobilização, registaram-se cargas da polícia de intervenção, que utilizou gás pimenta e balas de borracha contra alguns trabalhadores e estudantes. De acordo com a RT, estes responderam-lhes arremessando-lhes vários objectos.

A mesma fonte refere que os agentes carregaram quando a manifestação se dividiu e o grupo de estudantes tentou alcançar uma ponte de Cádis para cortar o trânsito, «provocando praticamente uma batalha campal no meio de uma grande fumarada» (vários vídeos aqui).

O resto prosseguiu pelo trajecto autorizado em direcção à sede do patronato. No geral, a mobilização decorreu de forma pacífica, ainda que com alguns momentos de tensão e com os trabalhadores a gritarem «Somos operários, não delinquentes».

O portal insurgente.org informa que, ao longo do fim-de-semana, o governo espanhol, por ordem do polémico ministro do Interior Grande-Marlaska (ex-juiz da Audiência Nacional, acusado de ser conivente com a tortura), enviou para a Baía de Cádis mais efectivos da polícia de choque.

De acordo com a fonte, os agentes foram alojados em hotéis de Chiclana para depois serem distribuídos para os palcos de acção, onde se encontram os trabalhadores em luta: San Fernando, Puerto Real e Cádis.

O portal opina que o executivo espanhol está «assustado pela solidariedade que [a luta dos trabalhadores em Cádis] suscitou em amplas camadas da população», «num contexto de cortes e da subida do custo de vida que se avizinham».

Tópico