|Dia da Vitória

Assinalar vitória sobre o nazi-fascismo e defender a Paz

Ao evocar o Dia da Vitória, o CPPC alerta para ameaças e perigos na actual situação internacional, vincando a premência do combate ao regresso de valores «fascizantes, neocoloniais e belicistas».

Soldados soviéticos com prisioneiros que acabaram de libertar no campo de extermínio de Auschwitz
Soldados soviéticos com prisioneiros que acabaram de libertar no campo de extermínio de AuschwitzCréditos / hindustantimes.com

Neste 9 de Maio de 2019, em que se assinala o 74.º aniversário da vitória sobre o nazi-fascismo na Segunda Guerra Mundial, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) chama a atenção para a actual situação internacional, «em que se multiplicam focos de ingerência e conflito», e sendo crescente a tensão que as potências ocidentais – EUA, União Europeia e NATO – promovem «face à Federação Russa e à China, de consequências imprevisíveis».

Numa nota, o CPPC destaca a necessidade de mobilizar vontades em torno da defesa da Paz, do desarmamento, da dissolução da NATO, do fim das bases militares estrangeiras, da corrida aos armamentos e das armas nucleares e de outras de destruição massiva.

Sublinha, igualmente, a necessidade de defender o fim das ingerências e agressões externas, bem como o respeito pela soberania dos estados e pelos princípios consagrados na Carta das Nações Unidas, na Constituição da República Portuguesa e nos valores da Revolução de Abril – «é este o caminho que interessa à Humanidade», declara o CPPC.

Valorizar os que resistiram e contribuir para que não se repita a barbárie

Ao assinalar a vitória sobre o nazi-fascismo na Segunda Guerra Mundial, para a qual o Exército Vermelho e a União Soviética deram um contributo decisivo, o CPPC reafirma «a sua determinação em prosseguir e intensificar a acção de esclarecimento e mobilização da opinião pública», de modo «que nunca se venha a repetir barbárie semelhante, que causou cerca de 50 milhões de mortos».

O organismo português de defesa da paz sublinha ainda que a valorização dos que «resistiram, deram a liberdade e a própria vida para pôr fim à guerra, para libertar os povos do horror nazi-fascista» não pode passar ao lado dos «avanços alcançados no pós-guerra pelos povos da Europa e do mundo nos seus direitos sociais, laborais e políticos», nomeadamente ao nível da saúde, da educação, do trabalho, da protecção social, da igualdade entre homens e mulheres, e da possibilidade de «decidirem soberanamente do seu destino, pondo fim aos impérios coloniais».

«Todos quantos defendem a paz, a liberdade, os direitos democráticos, a soberania, a solidariedade» são confrontados, perante a evocação da vitória sobre o nazi-fascismo, com a premência de combater o «regresso de valores retrógrados, fascizantes, neocoloniais e belicistas», afirma o CPPC, que encara a Paz como «valor essencial para garantir o bem-estar, o desenvolvimento, a felicidade e a própria vida humana no planeta».

Tópico