|União Europeia

Angela Merkel assume defesa do exército europeu

A chanceler alemã foi a Estrasburgo pedir a criação de «um verdadeiro exército europeu», dando lastro à ideia que Macron veiculou numa recente entrevista a propósito dos 100 anos do armistício.

O presidente francês Emmanuel Macron e a chanceler alemã Angela Merkel participam numa cerimónia militar comemorativa do centenário do armistício em Compiegne, França. 10 de Novembro de 2018
O presidente francês Emmanuel Macron e a chanceler alemã Angela Merkel participam numa cerimónia militar comemorativa do centenário do armistício em Compiegne, França. 10 de Novembro de 2018CréditosPhilippe Wojazer / EPA

«Devemos trabalhar no sentido de, um dia, criarmos um verdadeiro exército europeu», disse Angela Merkel no seu discurso perante o Parlamento Europeu, ao início da tarde de hoje.

A defesa de um «verdadeiro» exército da União Europeia surge poucos dias depois de o presidente francês defender a mesma ideia numa entrevista radiofónica na localidade francesa de Verdun. Emmanuel Macron participava num conjunto de iniciativas que assinalavam o centenário do armistício que pôs fim aos combates da I Guerra Mundial, precisamente no local onde se deu uma das principais batalhas do conflito.

Ontem, o ministro das Finanças francês argumentou a necessidade de transformação da União Europeia num «império pacífico», que possa disputar a hegemonia global com a China ou os EUA, numa entrevista ao jornal germânico Handelsblatt.

Numa audição com o ministro da Defesa, esta manhã, na Assembleia da República, o deputado do PS Vitalino Canas abriu a porta a uma mudança de posição sobre a questão: «Obviamente que se a França conseguir convencer a Alemanha a que haja exército europeu, os outros estados vão ter que assumir novas posições em relação a isso.»

Tópico