|Dia Internacional da Mulher

8 de Março: marcha de mulheres enfrenta neo-nazis em Kiev

Uma manifestação de mulheres e LGBT celebrando o Dia Internacional da Mulher foi atacada por contra-manifestantes neo-nazis no centro da cidade. A manifestação prosseguiu, após intervenção policial.

Aspecto da Marcha das Mulheres em Kiev, Ucrânia, a 8 de Março, por ocasião do Dia Internacional da Mulher. No cartaz pode ler-se «a minha cadela aprendeu a palavra não. E tu?»
Aspecto da Marcha das Mulheres em Kiev, Ucrânia, a 8 de Março, por ocasião do Dia Internacional da Mulher. No cartaz pode ler-se «a minha cadela aprendeu a palavra não. E tu?» Créditos / Informator.ua

O Dia Internacional da Mulher foi celebrado em Kiev com manifestações convocadas por diferentes organizadores mas que convergiram num único desfile que, segundo a agência ucraniana Uniam, levou cerca de um milhar de manifestantes à praça Mykhayliv, no centro da capital ucraniana.

Uma maioria de mulheres mas também alguns homens desfilaram entoando slogans feministas e em defesa da igualdade de género, erguendo a voz «contra a violência doméstica, sexual e psicológica» e exibindo cartazes, em muitos casos artesanais, com palavras de ordem como, por exemplo, «não à violência, assédio, prostituição, violação» e «meu corpo, meu assunto», entre tantas outras. Bandeiras arco-íris do movimento LGBT foram desfraldadas, confirmando a anunciada adesão deste à manifestação.

Na sua página no Facebook, a Marcha das Mulheres afirmou que a iniciativa foi preparada para confrontar «a violência da extrema-direita, a violência doméstica, sexual, económica e psicológica», bem como a pressão e a violência da estrutura patriarcal». Diversos manifestantes expressaram à Uniam o seu apoio à Convenção de Istambul1, em particular à protecção das mulheres da violencia que sobre elas se exerce, da luta pela igualdade de oportunidades epela abolição de estereótipos de género.

Manifestantes atacados, polícia interveio

A manifestação decorreu de forma animada e pacífica mas, à chegada à praça Mykhayliv, a Marcha das Mulheres teve de enfrentar uma contra-manifestação de algumas dezenas de oponentes. Homens e mulheres empunhavam cartazes com palavras de ordem como «Deus! Pátria! Patriarcado!», «o feminismo destrói a família ucraniana», e «o feminismo moderno desfigura a imagem divina da Mulher», e bandeiras das organizações neo-nazis Movimento Tradição e Ordem e Frente Nacionalista Cristã.

Polícias detêm um dos atacantes da Marcha das Mulheres. Kiev, Ucrânia, 8 de Março de 2019. Créditos

Apesar de separados por um impressionante cordão policial, as altercações sucederam-se entre os dois grupos de manifestantes. Algumas tentativas de agressão foram prontamente reprimidas pela polícia e vários extremistas foram presos, com a a agência Tass a informar da sua libertação, pouco depois dos incidentes.

Os participantes na Marcha das Mulheres não desmobilizaram com os confrontos e a manifestação continuou combativa até ao seu final.

Uma boa cobertura fotográfica e em vídeo da marcha do evento pode ser encontrada em notícia publicada pelo sítio Informator (legendas apenas em russo e ucraniano).

Aspecto da Marcha das Mulheres em Kiev, Ucrânia, a 8 de março de 2019. Créditos

Um impressionante dispositivo policial

Depois de, em 2017 e em 2018, as celebrações do Dia Internacional da Mulher terem sido atacadas e interrompidas em diversas localidades da Ucrânia, o governo de Piotr Pososhenko recebeu alertas de governos e ONGs para garantir a impossibilidade de se repetirem os acontecimentos.

Na véspera, 7 de Março, a Amnistia Internacional (AI) chamou as autoridades ucranianas a garantirem que os participantes nos eventos assinalando o Dia Internacional da Mulher seriam protegidos de actos violentos, publicou a Rádio Europa Livre (Radio Free Europe, RFL), um insuspeito meio de comunicação social do governo norte-americano para o Leste Europeu. Na mesma notícia referia-se que Oksana Pokalchuk, a directora do escritório ucraniano da AI, afirmara que as autoridades ucranianas «falharam a adequada protecção» nesses eventos nos últimos dois anos e que tal conduzira a «ferimentos em pacíficos manifestantes».

Os manifestantes desfilaram sob uma forte escolta policial. Marcha das Mulheres, Kiev, 8 de março de 2019.

Não foi a primeira vez que a AI criticou as autoridades ucranianas por falhas no impedimento ou na investigação de «numerosas» violações de direitos humanos cometidos contra activistas, segundo a RFL, em particular sobre os defensores dos direitos da mulher, membros da comunidade LGBT, opositores políticos e minorias étnicas.

Em mês de eleições, Poroshenko não quis arriscar as críticas ocidentais e mobilizou para enquadrar os manifestantes um impressionante dispositivo policial, compreendendo centenas de membros da temida polícia de choque ucraniana.

A elite e os neo-nazis contra os direitos da mulher

A prevenção da AI tinha toda a razão de ser. Apesar de a estação americana não o referir, as semanas que precederam o dia 8 de Março foram férteis em ameaças aos manifestantes, feitas não só pelos neo-nazis mas também por deputados e jornalistas que integram a elite no poder em Kiev. Andrey Manchuk, em artigo publicado no sítio ukraina.ru (em russo), descreveu várias dessas situações.

Segundo Manchuk, «nacionalistas ucranianos» colocaram recentemente online um «vídeo escandaloso», «apelando directamente» a represálias contra os participantes nas celebrações do Dia Internacional da Mulher, em Kiev e outras cidades ucranianas.

No vídeo, os nacionalistas, de cara descoberta por «conscientes da sua impunidade», como sublinha o articulista, afirmam que «as feministas defendem o ódio aos homens e desrespeitam a nossa Pátria e as tradições culturais e religiosas da Ucrânia». Vão mais longe: «uma feminista não é uma mulher, é uma doença».

Na opinião de Manchuk, este verdadeiro «terror anti-feminista» apenas é possível por o establishment político ucraniano ser «extremamente hostil à celebração do 8 de Março», que vê como uma celebração «comunista» e «pró-soviética», hostilidade que estendem à actual Federação Russa, que manteve este feriado, um dos mais importantes no tempo da URSS.

«Quanto ao 8 de Março, penso que cada vez mais ucranianos compreendem que não podemos viver no mesmo ritmo do país agressor. Esta sincronicidade na celebração de algumas datas com um país que está a tentar destruir o nosso Estado enfraquece-nos […], lutamos pela sua abolição», cita Menchuk como tendo afirmado Vladimir Vyatrovich, director do Instituto para a Memória Nacional da Ucrânia. Terá ainda muito a fazer para convencer os ucranianos: segundo Manchuk, uma recente sondagem do Canal 24 terá dado 55% dos ucranianos como desejando que o feriado continuasse a realizar-se «como nas décadas anteriores».

Iryna Gerashchenko, presidente da Verkhovna Rada, escreveu na sua página do Facebook que «beberia um copo» no dia 8 de Março para «não o festejar». Créditos

A elite ucraniana é diferente da maioria da população. Iryna Gerashchenko, presidente da Verkhovna Rada (parlamento), escreveu na sua página que «beberia um copo» no dia 8 de Março para «não o festejar». Manchuk considera esta declaração «particularmente chocante»: o Dia Internacional da Mulher é «universalmente considerado um dos mais importantes» eventos celebratórios, «simbolizando o triunfo do progresso social», esta atitude sendo possível apenas «por o país se encontrar num rumo retrógrado» relativamente ao progresso social.

Gerashchenko é membro da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa (Parliamentary Assembly of the Council of Europe, PACE) mas esta democrática instituição europeia, que na sua página inicial apela, por ocasião do 8 de Março, para a necessidade de luta contra a violência sobre as mulheres, deve desconhecer não só as afirmações do seu membro como a verdadeira situação na Ucrânia: uma delegação da PACE, que esteve recentemente no país a convite de Gerashchenko, concluiu que «o ambiente geral da Ucrânia deverá permitir a realização de eleições democráticas».

A agência Uniam junta-se ao coro contando a «verdadeira» história do Dia Internacional da Mulher. Em artigo citado por Manchuk, a agência noticiosa oficial apresenta-o como o «feriado das prostitutas em protesto», que terá sido dirigido por comunistas os quais, mais tarde, «apresentaram as prostitutas às mulheres trabalhadoras». Este «verdadeiro relato» tem sido amplamente reproduzido nas redes sociais, segundo Manchuk.,

Para Elena Suslova, da organização patriótica Centro de Consulta e Informação da Mulher, apenas «cerca de 20 países têm este dia como feriado» e, na sua maioria, são «países que votam nas nações Unidas com a Rússia contra a Ucrânia».

Todo este ambiente, segundo Manchuk, prepara uma «descomunização» do Dia Internacional da Mulher, «privando-o do seu significado original» de luta e «substituindo-o por uma versão festiva tipo “Dia da Mãe”». Processo que se interrompe neste eleitoral mês de Março por os candidatos não quererem alienar os votos de milhões de mulheres e homens que ainda vêm o 8 de Março como um feriado a manter.

«O meu corpo é o meu assunto». Aspecto da Marcha das Mulheres em Kiev, Ucrânia, 8 de Março de 2019. Créditos

Mas a inconveniência da celebração do Dia Internacional da Mulher, para as autoridades ucranianas, vai mais longe do que um simples «complexo anti-soviético». Afinal, conclui Manchuk, cada sua celebração «chama a atenção para a situação das mulheres ucranianas, que mais do que ninguém sofrem com a crise sócio-económica, discriminação e violência» que afectam a sociedade ucraniana enquanto o presidente Poroshenko reúne em Kiev o Fórum Familiar da Ucrânia.

«Elas não podem brindar como Gerashchenko, porque perderam os seus empregos, ou têm de trabalhar por tostões e são forçadas a emigrar», sublinha Manchuk, trabalhando em condições penosas como as «da mulher que, no ano passado, deu à luz numa fábrica polaca e tentou matar o filho na casa de banho». Das que «vivem na zona de conflito no Donbass e caem nas redes de escravatura sexual», das que não «têm possibilidade de dar à luz» e são forçadas a abortar «porque pura e simplesmente não têm meios de manter os filhos». Ou das reformadas «forçadas a viver no limiar da sobrevivência».

A tragédia de todas estas mulheres, conclui Manchuk, mostra a «crescente urgência» de celebrar o 8 de Março na Ucrânia.

Aspecto da Marcha das Mulheres em Kiev, Ucrânia, 8 de março de 2019. CréditosSERGEY DOLZHENKO / EPA-EFE

Tópico