|cinema

Ute Aurand: realizadora de cinema de afectos vem ao Porto/Post/Doc

A realizadora Ute Aurand, uma das figuras centrais da cinematografia experimental alemã, apresentará um ciclo das suas obras no festival de cinema Porto/Post/Doc, em Novembro próximo.

«Lisa» (2017), de Ute Aurand, foi filmado entre Yokohama e Berlim. É o sexto filme de uma série de retratos curtos de amigos íntimos e dos seus dois afilhados.
«Lisa» (2017), de Ute Aurand, foi filmado entre Yokohama e Berlim. É o sexto filme de uma série de retratos curtos de amigos íntimos e dos seus dois afilhados.Créditos / Ute Aurand

Ute Aurand, uma das referências da cinematografia experimental alemã, vai estar no Porto em Novembro para apresentar o foco que o Porto/Post/Doc fará sobre a sua obra.

Trata-se, segundo a organização do festival de cinema portuense, de uma selecção «habitada por família, amigos e experiências diárias que põe a tónica no carácter poético e intimista de um cinema que se foca nos afectos e nas relações humanas».

Entre 23 de Novembro e 1 de Dezembro serão exibidas 11 curtas-metragens de Ute Aurand (ver caixa) ao longo de duas sessões que contarão com a presença da realizadora na sala de projecção. O programa contará ainda com uma conversa entre Ute Aurand e Garbiñe Ortega Postigo, directora artística do Festival Internacional de Cinema Documental Punto de Vista (Pamplona/Iruñea).

Desde os anos 80 que a realizadora Ute Aurand se tem vindo a revelar uma das figuras centrais do cinema experimental alemão. O seu trabalho, de acordo com a informação disponibilizada pelo Porto/Post/Doc, «inscreve-se na tradição cinematográfica que recorre às especificidades deste meio para construir diários com imagens, registando breves momentos do quotidiano simultaneamente individuais e universais: um sorriso, um salto, uma dança». O Los Angeles Film Forum, dedicado ao cinema independente, experimental e progressivo, refere a atenção da autora «aos diálogos interiores» e à «experiência táctil das mulheres» e sublinha que, apesar de retratos, «os seus sujeitos não vivem no isolamento mas dialogam com o seu ambiente e com os circuitos interactivos da realizadora».

Reconhecido internacionalmente, o cinema de Ute Aurand tem sido exibido em múltiplos festivais internacionais – Berlinale-Festival Internacional de Cinema de Berlim, Festival Internacional de Cinema de Roterdão, Festival Internacional de Curtas-Metragens de Oberhausen, Sheffield Doc/ Fest, Courtisane (Gante, Bélgica), Punto de Vista (Pamplona, Espanha), entre outros – e também em instituições museológicas como, por exemplo, a Tate Modern Gallery, em Londres, ou a National Gallery of Art, em Washington.

Créditos

Ute Aurand nasceu em Frankfurt em 1957 e cresceu em Berlim, onde estudou, entre 1979 e 1985, na Academia Alemã de Cinema e Televisão de Berlim (Deutsche Film-und Fernsehakademie Berlin/DFFB), a prestigiada escola de cinema a que o DOC Lisboa dedica, este ano, a sua secção «Verdes Anos». Começou a filmar no início dos anos 80 e, a partir de 1985, afirma-se como cineasta independente, assegurando a produção dos seus filmes.

Além da realização, Ute Aurand ensina cinema experimental desde 1989 e, a partir de 1990, tem sido curadora de diversos programas de cinema, entre os quais o pioneiro Filmarbeiterinnen-Abend, reunindo mulheres que trabalham em cinema. Fundou o grupo Filmsamstag e desenvolveu um projecto de cinema experimental para crianças, Großes Kino, kleines Kino.

O Porto/Post/Doc é um festival do cinema do real do Porto que se realiza desde 2014. Como ponto de encontro para criadores, público e profissionais do cinema, tem como objectivo promover a cultura cinematográfica, exibindo as novas formas do cinema contemporâneo.

A edição de 2019 do Porto/Post/Doc decorre entre 23 de Novembro e 1 de Dezembro e, como é habitual, a programação ocupa vários espaços da cidade, como o Rivoli-Teatro Municipal do Porto, o Cinema Passos Manuel e o Planetário do Porto.

Tópico