|artes plásticas

Referências, Projetos e Diálogos no Feminino

Exposições «SPERARE» em Águeda, «Maria(s) da Fonte» em Braga, «Registos» em Espinho, coletiva «Na Margem» e «Diálogos III» em Almada. 

Exposição «SPERARE» de Adelaide Morgado no Centro de Artes de Águeda, até 5 de dezembro<br /> 
Exposição «SPERARE» de Adelaide Morgado no Centro de Artes de Águeda, até 5 de dezembro
 
Créditos / Adelaide Morgado

A Sala Estúdio no Centro de Artes de Águeda1 apresenta a exposição «SPERARE» de Adelaide Morgado2, podendo ser visitada até 5 de dezembro. Nesta exposição, a artista apresenta pinturas em aguarela inspiradas na obra e vida da escultora francesa Camille Claudel (1864 – 1943). Adelaide Morgado transpõe para aguarela, um conjunto de sentimentos inerentes à personalidade e vivência da artista francesa que desde muito cedo demonstrou ser «uma mulher à frente do seu tempo, enfrentando o preço da independência e paixão pelas artes, numa época assumidamente de domínio masculino.

Prestando homenagem a um dos expoentes máximos da escultura do século XIX, SPERĀRE é também uma ode a todas as mulheres que lutaram e lutam pela igualdade de oportunidades e de géneros».

A Casa do Professor em Braga é uma das mais antigas associações de solidariedade social do país, foi fundada em 1979 e criada com a finalidade de apoiar os professores de todos os níveis de ensino, através da promoção de iniciativas de caráter social, científico, formativo, cultural e recreativo. A Clarabóia é um projeto de programação cultural da Casa do Professor, criado em janeiro de 2010, com o intuito de proporcionar aos associados da instituição, e ao público em geral da cidade e regiões envolventes, uma oferta cultural consolidada e interdisciplinar, oferecendo um cruzamento de propostas em diferentes áreas de expressão artística, passando pela pintura, música, cinema, tertúlias, visitas culturais, divulgação de livros e workshops.

Exposição «Maria(s) da Fonte» de Patrícia Ferreira na Casa do Professor, em Braga, até 10 de dezembro Créditos

Clarabóia tem na sua programação a exposição intitulada «Maria(s) da Fonte» de Patrícia Ferreira3, que pode ser visitada na Casa do Professor4 até 10 de dezembro. A exposição «Maria(s) da Fonte» são sete rostos do Minho deste tempo, que evocam a Angelina, a Josefa, a Ana, a Luísa e Marias de um outro tempo, como refere a artista , acrescentando ainda que esta exposição é, assim, «uma história com 175 anos, conjugada no feminino, mas também uma reflexão acerca do dilema da desobediência/obediência, tão fraturante como atual. As "papeletas da ladroeira" não desapareceram. Nem as desigualdades. Nem as injustiças. Nem os escândalos. Ao que parece, novas Marias da Fonte precisam-se».

«Registos» é o título da exposição de Maria Afonso5, apresentada no Museu Municipal de Espinho / FACE6 e pode ser visitada até dia 11 de dezembro.

Exposição «Registos» de Maria Afonso no Museu Municipal de Espinho / FACE, até dia 11 de dezembro Créditos

Maria Afonso referiu que já não é a primeira vez que apresenta trabalhos seus em Espinho, apresentou livros de artista na Biblioteca Municipal, esteve presente na Bienal de Espinho e realizou também um workshop de Xilogravura. E agora, segundo a artista, apresenta «uma exposição individual que engloba alguns trabalhos da série «Raízes II», deixando, no entanto, a informação que outros trabalhos da série «Raízes I» estiveram expostas na exposição «Magnólia, Muros e Raízes» no «Espaço Q / QuadraSoltas», na Miguel Bombarda do Porto.

Nestas séries, a artista tem desenvolvido trabalhos em gravura de metal, aguarelas e xilogravura, afirmando que «alguns dos trabalhos apresentados nesta exposição são formas, restos de uma peça que me foram oferecidos pelo escultor Isaque Pinheiro, utilizados agora como matrizes de madeira, são troncos fatiados, onde eu escavei e desenhei as minhas raízes… gosto de papel, gosto da textura, gosto de desenhar e redesenhar… gosto de poesia e gosto de palavras, os trabalhos de desenho contém, quase todos, palavras de recortes que coleciono… e gosto de linhas, sou mulher, gosto de costurar os meus trabalhos, de onde em onde, porque essas também são as linhas do meu trabalho…»

No texto de apresentação da exposição Maria Afonso escreveu:

«"REGISTOS®" é o nome desta exposição. Registos elevado ao quadrado? R^2.

Não. Elevado ao cubo ... R^3.

Não. Elevado a ® -> R de Rúben, o autor do título desta exposição.

É uma mostra que é composta por várias mostras, ou parte delas. Assim: «A Seiva I e II», «Narrativas», «Raízes #2» e «As Sombras de um Leque». O que têm em comum? A matéria, a linhas, as manchas, as letras. Numa palavra, o desenho.

São os Registos® do meu universo cognitivo e emocional.»

A Imargem-Associação de Artistas Plásticos do Concelho de Almada, fundada em 1982, vai fazer 40 anos em 2022, tem o estatuto de Utilidade Pública desde 1997 e em 2007 foi-lhe atribuída a Medalha de Prata Cidade de Almada. No espaço Galeria Imargem realizam-se cerca de 14 exposições por ano, entre coletivas e individuais, com destaque especial para a Exposição Internacional de Vidro (em parceria com a VICARTE - FCT), organiza ainda exposições fora das suas instalações, em Almada e diversos locais do país.

Realçamos também a organização da Bienal de Desenho de Almada-Prémio Pedro de Sousa (desde 2016), a sua atividade de formação nas diversas áreas artísticas, aberta a toda a população e nas parcerias e protocolos com diversas entidades, desde escolas, autarquias e associações de artes, a nível local e nacional.

Na atual programação da Imargem apresentam-se duas exposições: A exposição «Na Margem», que decorre na Sala Multiusos da Biblioteca da FCT NOVA, Campus de Caparica7, até 15 dezembro e «Diálogos III» de Fernanda Guerreiro8 e Maria Bargado9 na Galeria de Arte Imargem10, de 3 a 21 de dezembro em Almada.

Maria Bargado, Uma Espécie de Fenda Adormecida, 2016. Exposição «Diálogos III» na Galeria de Arte Imargem com Fernanda Guerreiro e Maria Bargado em Almada, até 21 de dezembro
 
 
Créditos

Na FCT podemos ver uma exposição coletiva «Na Margem», onde participam 20 artistas da Imargem: António Viegas, Carlos Catalão, Carlos Morais, Conceição Freitas, D' Sousa, Dekoque, Gina Gimenez, Elsa Oliveira, Fernanda Ferreira, Fernanda Guerreiro, Fernando Quintas, Francisco Bronze, Francisco Palma, José Antónia Silva, Lucília Simões, Manuel da Fonseca, Maria Aline, Maria Bargado, Robert Wiley e Teresa Matos.

No espaço Galeria de Arte Imargem ocorre uma exposição do projeto «Diálogos», a sua terceira edição, que consiste em ser um projeto de criação de um artista sobre a obra do outro. Cada artista tendo como referência três obras do outro artista, sobre cada uma delas, cria duas novas obras. 

Fernanda Guerreiro é uma artista plástica com intervenções no campo da escultura, pintura, instalação, serigrafia e fotografia e utiliza no seu trabalho diversas técnicas e materiais. Maria Bargado tem produzido essencialmente gravura e escultura, depois de ter decidido abandonar a pintura e nos últimos trabalhos, tornou-se recorrente a utilização de materiais pobres, pasta de papel, tecidos e feltros e práticas do coser à máquina e desenhar com linhas.


O autor escreve ao abrigo do Acordo Ortográfico de 1990 (AO90)

  • 1. i CAA Centro de Artes de Águeda - Rua Joaquim Valente Almeida, 30 – Águeda. Horário:terça a sábado das 14h às 19h e domingo das 14h às 18h
  • 2. Adelaide Morgado nasceu (n.1972), estudou em França. Reside atualmente em Aveiro, Portugal. Estuda atualmente Pintura na Faculdade de Belas Artes do Porto. Participa em diversas exposições coletivas desde 2014 e organizou exposições individuais, destacando em 2018: «Transparências», Galeria Matriz Arte – Vila Nova de Famalicão e «Essências», Sala de Exposição da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro
  • 3. Patrícia Ferreira (Braga, 1977). Expõe regularmente desenho, pintura, ilustração e cartoon; é urbansketcher; conduz oficinas e workshops e faz trabalho de ilustração para livros. Destaca as exposições individuais: «Micro-Nouvelles: 13 Histórias Trágicas + 2 Breves», «Mar_é», «O Circo da Vida», «33» e «(DES)Obedecer». Ao nível de prémios, salienta a Menção Honrosa na II Bienal de Desenho de Almada, recebida em 2018.
  • 4. Casa do Professor – Av. central, 106-110 // 4710-229 Braga. Horário: segunda a sexta: 8h-19h; sábado e domingo: 9h-17h.
  • 5. Maria Afonso nasceu em Estarreja em 1955, licenciou-se em Artes Plásticas pela Escola Superior Artística do Porto em 2009. Mestre em Desenho e Técnicas de Impressão, Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, 2011. Expõe individual e coletivamente em Portugal desde 1994. Áreas de interesse que desenvolve atualmente: desenho, escrita, pintura, gravura e cerâmica.
  • 6. Museu Municipal de Espinho/ Forum de Arte e Cultura de Espinho- Rua 41 / Av. João de Deus – Espinho. Horário: segunda a sexta das 10h às 17h e sábados das 10h às 18h
  • 7. Biblioteca da Faculdade de Ciências e Tecnologia – Campus de Caparica 2829-516 Caparica - Almada. Horário: Todos os dias úteis das 10h às 17h.
  • 8. Fernanda Guerreiro. Mestrado em Arte e Ciência do Vidro na FCT/FBAUL. Licenciada em Design de Produção Visual pela ESD de Lisboa e em Artes Plásticas/ Escultura pela FBAUL. Estágio Pedagógico para lecionar arte visuais; Formação em orientação de Professores. Participou em mais de 70 exposições coletivas e realizou 15 individuais.
  • 9. Maria Bargado (Almada, 1959). Curso de Artes Gráficas da Escola de Artes Decorativas António Arroio. Frequentou aulas de Pintura no Atelier Audimagem com Francisco Aritzia e no Ar.co. com Rogério Ribeiro. Serigrafia na ESBAL. Expõe os seus trabalhos desde 1982.
  • 10. Galeria de Arte Imargem – Rua Torcato José Clavine nº19 Piso 03 2804-710 PRAGAL-ALMADA. Horário: Segundas 10h-14h e 18h-20h, terças 10h-13h e 15h-18h, quartas 10h-16h e 18h-20h e quintas 15:00-18h

Tópico