O cinema está morto. Viva o cinema

Romper com o texto implica abdicar do hábito de contar histórias. Acabar com a tirania do ator pressupõe assumir que o ator não é essencial ao cinema.

https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/thetulselupersuitcases.png?itok=ao2Z0Uns
«The Tulse Luper Suitcases», de Peter Greenaway
«The Tulse Luper Suitcases», de Peter GreenawayCréditos

O cineasta e artista multimédia Peter Greenaway tem dedicado os seus últimos trabalhos teóricos e artísticos à reflexão acerca da possibilidade de reinvenção do cinema.

Este faz, aliás, recurso frequente ao aforismo que usamos como título deste segmento e que declara: «O cinema está morto. Viva o cinema». O projeto iniciado em 2003, The Tulse Luper Suitcases – que combina um website, um jogo online, quatro longas-metragens e múltiplas sessões de cinema ao vivo –, é a sua tentativa de expressar uma visão acerca do futuro do cinema.

Na sua perspetiva, o cinema convencional tende a desaparecer, assim como os seus modos de produção, distribuição, exibição e receção clássicos. No entanto, considera que um novo emerge que é não-narrativo, situado no tempo presente, multimediático e interativo.

Para que este se possa manifestar, propõe o cineasta, deve estar liberto das quatro tiranias que ao longo do tempo foram impostas ao cinema: a do enquadramento, a do texto, a do ator e a da câmara.

Libertar-se do enquadramento significa encontrar outras dimensões e formatos para a sua construção e exibição. Romper com o texto implica abdicar do hábito de contar histórias. Acabar com a tirania do ator pressupõe assumir que o ator não é essencial ao cinema. Por fim, recusar a câmara simboliza rejeitar o objeto que deposita o seu olhar mecânico sobre o real e, consequentemente, dispensar a matriz realista.

Greenaway defende que a introdução das tecnologias digitais não significa, pois, uma fascinação acrítica, mas antes o reconhecimento de que as novas tecnologias podem ser catalisadoras de renovados recursos imaginativos. Para Greenaway, os transcorridos 120 anos da história do cinema foram o seu prólogo e é agora chegada a altura de iniciar um novo ciclo.

Para Phillipe Dubois, coorganizador da obra com o título provocatório Oui c’est Du Cinema/Yes, it’s Cinema, estamos presentemente face a uma nova etapa do cinema, o pós-cinema, que compreende todas as formas de imagens em movimento. Com o surgimento das imagens eletrónicas, o termo filme já assumira uma conotação mais elástica, servindo para designar diversos objetos audiovisuais concebidos em suportes e formatos diversificados e destinados a ser exibidos em múltiplos meios e contextos.

Foi tendo esta ideia em mente que Noël Carroll propôs a substituição daquela palavra pela expressão 'imagens em movimento'. De acordo com Carroll, enquadrar o cinema na categoria de imagens em movimento permite «caracterizar os artefactos cinematográficos em termos da sua função – em vez da sua base material – que consiste, resumidamente, em transmitir a impressão do movimento». «Esta função», esclarece o autor, pode «ser implementada por um número indefinido de meios», entre os quais se incluem os filmes em película, mas também o vídeo, as transmissões televisivas, os brinquedos óticos, o CGI e outros formatos que venham a ser criados no futuro.

«Há cerca de 30 anos, o cinema encetou um percurso de transformação por via da sua digitalização.»

Pelo que dissemos talvez seja, então, como refere Arlindo Machado, uma determinada conceção de cinema que encontra o seu fim. Mas isso não significa, para o cinema, o fechamento de todos os seus percursos possíveis.

Trata-se, como propõe o mesmo autor, de deixar de pensar o «cinema como um modo de expressão fossilizado, paralisado na configuração que lhe deram Lumière, Griffith e os seus contemporâneos, mas como um sistema dinâmico, que reage às contingências da sua história e se transforma em conformidade com os novos desafios que lhe lança a sociedade».

Há cerca de 30 anos, o cinema encetou um percurso de transformação por via da sua digitalização. O cinema, tal como foi habitualmente definido, pelo menos na sua formulação dominante, existe agora em paralelo com diversas outras possibilidades.

A reestruturação desta forma de expressão e de todos os seus elementos convencionais tem suscitado um amplo questionamento entre os seus teóricos e aqueles que têm contribuído para todas as etapas da sua construção e apresentação.

Entre estes, alguns creem que estamos perante um momento de perda, outros consideram que esta é uma oportunidade de renovação e de abertura a outras possibilidades e, outros ainda, julgam que nada de significativamente novo ocorre com estas mudanças.

Ao longo dos últimos artigos temos procurado esboçar estes diferentes entendimentos. Os próximos terão como propósito a apresentação de várias modalidades de produção cinemática decorrentes do percurso de digitalização.


A autora escreve ao abrigo do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990

0 Comentários

no artigo "O cinema está morto. Viva o cinema