|Arqueologia

Encontrados destroços de embarcação do século XVII em Melides

Foram encontrados na Lagoa de Melides, Grândola, destroços arqueológicos que, possivelmente, correspondem a um navio holandês do século XVII, e que entretanto foram recolhidos para análise.

Lagoa de Melides
Lagoa de MelidesCréditos / olhares.com

A informação foi divulgada em comunicado, no início da semana, pela Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), que explica que as chuvas fortes ocorridas no início do mês deixaram expostos, «durante um breve período», os destroços.

Pensa-se que se trate da embarcação Schoonhoven, um navio holandês que, «segundo registos históricos, naufragou ao largo de Melides a 23 de Janeiro de 1626».

A DGPC revela que, no local, se fez um registo tridimensional do destroço, tendo sido colhida «uma amostra de uma tábua de forro exterior da embarcação», que será estudada para confirmar a hipótese levantada. Neste sentido, será feita uma análise aos anéis de crescimento da madeira (dendrocronologia) encontrada, o que permitirá concluir «a data de abate da árvore que deu origem à tábua, a sua espécie, ou o tipo de clima onde cresceu».

Foram ainda feitos no local trabalhos de emergência pela equipa do projecto Um mergulho na História, que é especializado em «detecção, escavação e divulgação de naufrágios históricos», lê-se no comunicado.

Uma equipa do Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática em conjunto com a Direcção Regional de Cultura do Alentejo e a Câmara Municipal de Grândola foram responsáveis pela «monitorização e avaliação» da operação, que envolveu também a Administração da Região Hidrográfica do Alentejo, a Guarda Nacional Republicana, a Capitania do Porto de Sines e a Autoridade Marítima Nacional.

Recorde-se que há documentação que regista que aquele navio holandês, com 400 toneladas, partiu a 20 de Dezembro de 1625 da ilha de Texel, nos Países Baixos, tendo sofrido um «naufrágio na costa de Portugal».

Com agência Lusa

Tópico