|desregulação de horários

Operários da corticeira Amorim contestam jornadas de 12 horas

Nos plenários realizados esta terça-feira, os trabalhadores da unidade industrial da corticeira Amorim, em Coruche, repudiaram os horários de turnos contínuos de 12 horas que a administração pretende introduzir.

Trabalhadores rejeitam o horário concentrado de 12 horas em 3 dias de turnos contínuos e não aceitam o fim do sábado e do domingo como dias de descanso
Trabalhadores rejeitam o horário concentrado de 12 horas em 3 dias de turnos contínuos e não aceitam o fim do sábado e do domingo como dias de descanso CréditosNuno Veiga / Agência Lusa

Os plenários foram convocados pelo Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Cerâmica, Cimentos e Similares, Construção, Madeiras, Mármores e Cortiças do Sul e Regiões Autónomas (CGTP-IN).

Em declarações ao AbrilAbril, Rui Aldeano, coordenador da União de Sindicatos de Santarém, explicou que, dos três plenários planeados, apenas dois foram realizados pois a empresa impediu um e tentou fazer o mesmo ao plenário da tarde, que contava com a presença do secretário-geral da CGTP-IN.

«Não conseguiram porque os trabalhadores insistiram e forçaram a barra», reiterou o dirigente, tendo afirmado que o sindicato vai apresentar queixa junto da Autoridade para as Condições no Trabalho (ACT). 

Os trabalhadores da unidade industrial estão contra a intenção da corticeira de aplicar em algumas áreas a laboração contínua com jornadas de 12 horas durante três dias seguidos, dando depois três de descanso.

Intenção amplamente rejeitada

Classificando o novo horário como «muito penoso», os trabalhadores decidiram avançar com uma posição colectiva, estando a recolher assinaturas, que será entregue à administração para evidenciar o descontentamento.

Entre os motivos, apontam para as «profundas consequências negativas na saúde» que implicará trabalhar mais que oito horas diárias, especialmente quando se trata de turnos contínuos sem o devido descanso.

Além disso, o horário tem «implicações gravosas na organização e concilação da sua vida pessoal e familiar», privando-os do tempo de fim-de-semana com a família, como também resultará na diminuição dos seus rendimentos pois vão deixar de receber o trabalho suplementar.

O sindicato irá remeter os protestos dos trabalhadores à administração e à ACT, acompanhados com um novo pedido de reunião urgente.

Tópico