|reforma

Motoristas protestam no Ministério contra o aumento da idade da reforma

Os motoristas de pesados de passageiros e mercadorias voltaram esta sexta-feira a reivindicar ao Governo, numa concentração de dirigentes e delegados sindicais junto ao Ministério do Trabalho, em Lisboa, a reposição do limite da idade para o exercício da actividade nos 65 anos.

https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/motoristaspesados10nov2017.jpg?itok=VI935L8Z
Activistas e dirigentes sindicais concentrados no Ministério do Trabalho em protesto contra o aumento da idade da reforma para os motoristas de pesados.
Activistas e dirigentes sindicais concentrados no Ministério do Trabalho em protesto contra o aumento da idade da reforma para os motoristas de pesados.Créditos / Fectrans

O objetivo do encontro, que esta manhã juntou sindicalistas afectos à Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans/CGTP-IN), foi também o de entregar um documento à tutela a exigir a reposição nos 65 anos do limite da idade de reforma sem penalização, como acontecia antes de ser alterado o Código da Estrada no ano passado.

«Com esta alteração do Código, o limite de idade aumentou dos 65 para os 67 anos, o que é também um aumento da idade da reforma numa profissão de desgaste físico e psíquico rápido, com reflexos na qualidade e segurança de pessoas e bens. Já há muito que fazemos esta reivindicação», contou à Lusa o coordenador da Fectrans, José Manuel Oliveira.

Há um ano, deu entrada no Parlamento uma petição para a revogação do limite de idade da validade da carta de condução dos motoristas de pesados, que pedia ainda a criação de um regime específico de idade de reforma na profissão, mas a comissão parlamentar que a apreciou, em Novembro do ano passado, concluiu que o teor do documento seria dado a conhecer aos grupos parlamentares e Presidente da Assembleia da República, mas ressalvava não ser obrigatório proceder à sua apreciação em plenário.

José Manuel de Oliveira, que contabiliza existirem «centenas de milhares» de motoristas de pesados, defendeu a necessidade de abrir à discussão dos deputados a criação deste regime especial, lembrando que se trata de trabalhadores que transportam pessoas e mercadorias, com grande importância para a economia nacional e segurança de pessoas.

«Conhecemos estudos, na área da saúde, que mostram que estes trabalhadores são susceptíveis de doenças que outros não têm», salientou o sindicalista, recordando ainda que muitas empresas, em vez de cumprirem a lei, fazem o salário do trabalhador depender dos quilómetros de faz ou das tonelagens que transporta, o que fomenta ainda mais ritmos de trabalho intensos.

Com agência Lusa

Tópico

0 Comentários

no artigo "Motoristas protestam no Ministério contra o aumento da idade da reforma