|grande distribuição

Mercadona ataca de igual forma direitos dos trabalhadores

A empresa espanhola diz que paga melhores salários do que outras empresas do sector, mas o sindicato denuncia os mecanismos que utiliza para fazer passar essa ideia errada.

Créditos / CGTP-IN

Em comunicado, o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio e Serviços (CESP/CGTP-IN) afirma que a empresa da grande distribuição espanhola tenta «ludibriar» os trabalhadores portugueses.

Como exemplo, refere o facto de os obrigar a assinar um contrato individual de trabalho onde está definido que o pagamento do subsídio de Natal e de Férias é pago em duodécimos, caso contrário não contrata.

E apesar de dizer que paga salários superiores às restantes empresas do sector, a verdade é que o Mercadona paga o salário mínimo nacional acrescido de um suplemento que vai diminuindo cada vez que o salário mínimo sobe, denuncia a organização sindical.

Na nota, o CESP refere que já reuniu com a empresa no sentido de resolver alguns problemas detectados pelos trabalhadores, não tendo existido respostas favoráveis, nomeadamente no que diz respeito à marcação de férias ou mesmo da aplicação do estatuto trabalhador-estudante, que a empresa não quer conceder.

Tópico