|desregulação de horários

Banco de horas rejeitado na Eurofins

Os trabalhadores da Eurofins, em Sobrosa (Paredes), rejeitaram, por mais de 80%, o referendo que a multinacional de ensaios e análise em laboratório pretendeu impor.

Créditos / Revista Pontos de Vista

Em comunicado, o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente (SITE-Norte/CGTP-IN) saudou esta vitória dos trabalhadores, salientando que «a firmeza e a unidade dos trabalhadores da Eurofins impediram a aplicação do banco de horas».

Para a vitória, foi decisiva «a unidade dos trabalhadores» e «a atitude determinada do sindicato» que demonstrou que «o único propósito da administração é tão-só aumentar a exploração, com recurso ao agravamento dos horários de trabalho», pode ler-se na nota.

O referendo promovido no dia 15 pela administração abrangeu um universo de 126 trabalhadores da produção. Dos 119 que votaram, 92 disseram «não» ao banco de horas.

O sindicato sublinha que «não existem inevitabilidades» e que o patronato deve respeitar a conciliação entre a vida familiar e profissional.

Tópico