|desigualdade salarial

Afinal na Navigator «há dinheiro» mas não é para quem produz

Continuam por resolver as discriminações salariais e de direitos entre os trabalhadores das várias empresas do grupo. O sindicato denuncia que se trata de um problema de distribuição da riqueza.

Piquete de greve à porta das instalações da fábrica
Piquete de greve à porta das instalações da fábricaCréditos / Site Sul

As mais recentes notícias sobre a Navigator e a distribuição dos 99,1 milhões de euros de dividendos aos accionistas «vêm revelar que a empresa tem dinheiro para distribuir», denuncia a União dos Sindicatos de Setúbal (USS/CGTP-IN) em comunicado.

Assim, a empresa tem condições para rever o plano de carreiras dos trabalhadores e proceder ao respectivo aumento salarial, afirma a estrutura sindical, pois, «se existe dinheiro para os accionista, também tem de existir dinheiro para quem trabalha e gera riqueza».

A União dos Sindicatos de Setúbal apela para que os trabalhadores da Navigator, em conjunto com as sua estruturas representativas, continuem a luta «pelas suas justas reivindicações exigindo que a riqueza criada seja bem distribuída».

Greve confirmou disponibilidade para a luta

Os três dias de greve realizados em Novembro em torno das reivindicações da valorização das carreiras e aplicação de um plano para todas as empresas do grupo confirmaram «a disponibilidade dos trabalhadores para darem continuidade à luta até que as suas justas e legítimas reivindicações sejam atendidas», afirmou a Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas (Fiequimetal/CGTP-IN) em nota.

Governo deve agir para assegurar direitos

O grupo parlamentar do PCP questionou o Governo, esta terça-feira, sobre a persistência de desigualdades salariais e de direitos entre os trabalhadores do grupo, e sobre o que pretende o executivo fazer para «assegurar a uniformização dos direitos» e o respeito do princípio constitucional de «salário igual para trabalho igual».

Tópico