|PCP

Intelectual comunista faleceu aos 86 anos

Morreu Aurélio Santos, destacado resistente antifascista

Faleceu Aurélio Santos, destacado dirigente do PCP, aos 86 anos. Foi director da Rádio Portugal Livre, entre 1963 e 1974, chefe de gabinete de Álvaro Cunhal e um dos divulgadores da Revolução Portuguesa no estrangeiro, informou o PCP.

Aurélio Santos
Aurélio SantosCréditos / PCP

Aurélio Santos, nascido em Vilar de Torpim, no concelho de Figueira de Castelo Rodrigo (Guarda), em 1930, integrou o movimento estudantil, na Faculdade de Medicina de Lisboa (cujo curso frenquentou até ao 4.º ano), e o Movimento de Unidade Democrática (MUD) Juvenil na década de 50, aderindo ao PCP em 1955, já depois de ter sido preso, após chefiar a delegação portuguesa que, clandestinamente, participou no Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes e no Congresso Mundial da Juventude, que se realizaram em Bucareste (Roménia) em 1953.

Dois anos após o ingresso nas fileiras comunistas, passou à clandestinidade e, a partir de 1963, dirigiu a Rádio Portugal Livre até à Revolução de Abril.

Foi chefe de gabinete de Álvaro Cunhal no primeiro governo provisório e fez parte da comissão de programas da RTP, entre 1974 e 1975, e do Conselho de Imprensa, eleito pela Assembleia da República, entre 1977 e 1979.

Enquanto dirigente do PCP, foi responsável por várias organizações e frentes de trabalho, designadamente pela secção internacional, entre 1974 e 1975, «tendo dado uma valiosa contribuição para divulgar a Revolução Portuguesa no estrangeiro e para o desenvolvimento das relações de amizade do PCP com partidos comunistas e outras forças revolucionárias e progressistas de todo o mundo», refere a nota do Secretariado do Comité Central do PCP.

Integrou o Comité Central e a Comissão Central de Controlo do PCP, entre 1965 e 2004, e entre 1996 e 2008, respectivamente. Foi ainda mandatário da candidatura protagonizada por Jerónimo de Sousa à Presidência da República em 1996 e foi membro do Conselho Directivo da União de Resistentes Antifascistas Portugueses (URAP).

«À sua família, em particular às suas filhas, o Secretariado do Comité Central endereça as mais sentidas condolências», refere a nota. O funeral sairá da Igreja de São Francisco da Assis, em Lisboa, às 16h45, em direcção ao cemitério do Alto de São João , onde o corpo será cremado.

Tópico