|incêndios florestais

Governo declarou três dias de luto nacional

Incêndios extintos deixam 36 mortos

Os incêndios que fustigaram grande parte do território nacional a norte do rio Tejo estão já em fase de resolução ou de conclusão, de acordo com a Protecção Civil. O número de vítimas mortais, num momento em que há 15 feridos em estado grave, é de 36.

Uma das muitas empresas do parque industrial de Oliveira de Frades, destruídas pelo fogo, 16 de Outubro de 2017
Uma das muitas empresas do parque industrial de Oliveira de Frades, destruídas pelo fogo, 16 de Outubro de 2017CréditosNuno André Ferreira / Agência LUSA

A chuva que caiu durante a noite ajudou o trabalho de combate aos incêndios e às 11h38 a Autoridade Nacional de Protecção Civil dava conta de apenas dois incêndios florestais activos, nos concelhos de Coimbra e de Trancoso (Guarda), ambos com início já esta manhã.

Os fogos que fizeram pelo menos 36 mortos nos últimos dois dias, particularmente no Centro do País, deixaram de estar activos durante a noite.

Às 36 fatalidades juntam-se 62 feridos, 15 dos quais em estado grave, e apenas um desaparecido, no distrito de Coimbra.

Permanecem mais de 2700 bombeiros da Protecção Civil no terreno, apoiados por 800 viaturas. Todos os distritos de Portugal Continental continuam em alerta vermelho até às 20h desta terça-feira.

O Governo decretou ontem três dias de luto nacional, entre o dia de hoje e quinta-feira, e o primeiro-ministro anunciou ontem à noite, numa comunicação a partir da residência oficial de São Bento, em Lisboa, que o Executivo declarou situação de calamidade pública para os distritos a norte do Tejo até às 0h de quarta-feira.

Tópico