|IC1

Utentes criticam atraso na reparação da «estrada da morte»

A Comissão de Utentes do Itinerário Complementar (IC) 1, entre Alcácer do Sal e Grândola, no distrito de Setúbal, critica o atraso da requalificação anunciada em 2017. 

Os utentes denunciam que, em vez da requalificação prevista, apenas se têm feito «remendos» no pavimento
Os utentes denunciam que, em vez da requalificação prevista, apenas se têm feito «remendos» no pavimentoCréditos / Antena Miróbriga

As obras anunciadas pelo Governo em Abril do ano passado, adjudicadas à Infraestruturas de Portugal (IP) no mês de Janeiro, ainda não arrancaram na que passou a ser conhecida como «estrada da morte».

Para denunciar o atraso, a comissão de utentes realizou uma conferência de imprensa na segunda-feira, 4 de Junho, junto ao IC1, na zona de Alcácer do Sal, frisando que [os utentes] estão como «sempre estiveram». 

Segundo adiantou à Lusa o porta-voz, Manuel Rocha, até ao momento foram feitas apenas «reparações pontuais» ou «remendos» no traçado que liga Alcácer do Sal e Grândola, «para minimizar impactos e a insegurança na circulação dos automobilistas». Mas a comissão de utentes não desiste da reivindicação de alargar a requalificação a todo o traçado, entre Marateca e Grândola Sul. 

Para conhecer o ponto de situação da empreitada, a Comissão de Utentes do IC1 de Alcácer do Sal e Grândola vai solicitar audiências com a IP e com o ministro Pedro Marques que, dizem, «nunca nos recebeu».

Tópico