|Saúde

Hospital Central da Madeira demora a sair do papel

Apesar de inscrito nos orçamentos do Estado de 2017 e 2018, tanto o Governo Regional como o Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Funchal desconhecem quando será transferida a verba.

O PCP quer conhecer o modelo de financiamento e a calendarização para a construção do novo hospital
O PCP quer conhecer o modelo de financiamento e a calendarização para a construção do novo hospitalCréditos / dnoticias.pt

Numa pergunta dirigida ontem ao Governo, os comunistas frisam que, na deslocação da Comissão de Saúde à Região Autónoma da Madeira, «e nas reuniões tidas com os responsáveis do Governo Regional e do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Funchal/Hospital Dr. Nélio Mendonça, foi mencionado que não existe conhecimento sobre quando o Governo da República vai disponibilizar a verba para que se proceda à abertura do concurso internacional, e posterior início da construção daquela infra-estrutura». 

Tanto o Orçamento do Estado de 2017 como o de 2018 introduzem normas relativas à construção do hospital central da Madeira, onde se estipula que o Governo assegura apoio financeiro, de acordo com a programação prevista no quadro dos projectos plurianuais, «em cooperação com os órgãos de Governo próprio da Região Autónoma da Madeira». 

A par do financiamento, os comunistas denunciam que o grupo de trabalho não está a funcionar por terem saído três membros que ainda não foram substituídos. Este grupo, recorda-se no texto, foi criado através de um despacho de 9 de Outubro com a tarefa de «apresentar um relatório com propostas que permita que o projecto preencha os requisitos legalmente exigidos à sua consideração como projecto de interesse comum, incluindo o modelo de financiamento». 

Na missiva, o PCP realça ainda que a construção do hospital «é uma necessidade e premência», e que «as insuficiências apresentadas não se resolvem com remodelações e ampliações».

Tópico