|Ambiente

Avis distingue-se na «Promoção da Educação Ambiental»

O concelho do Alto Alentejo é um dos 54 municípios portugueses distinguidos pela Bandeira Verde ECO XXI, «em reconhecimento das boas práticas de desenvolvimento sustentável».

Vila de Avis
Vila de AvisCréditos / visitportugal

É a melhor classificação da Câmara Municipal de Avis (CMA), 71,2%, desde 2008, ano em que o município começou a participar neste programa, reflectindo o seu empenho em dinamizar «uma melhoria no bem-estar e qualidade de vida da população concelhia».

A pontuação mais elevada atribuída ao município alentejano foi no indicador referente à Promoção da Educação Ambiental, distinção que reconhece o trabalho desenvolvido «com os alunos do Agrupamento de Escolas de Avis, através do programa Eco-Escolas, as actividades de educação ambiental no âmbito do Biblioférias ou do AnimaSénior ou as caminhadas realizadas ao longo de todo o ano», que dão a conhecer a «riqueza natural do concelho», sensibilizando para «a importância da sua preservação».

Também o indicador relativo ao Turismo Sustentável foi reconhecido, pelas 34 instituições que compõe a Comissão Nacional, com uma pontuação elevada, «fruto do trabalho desenvolvido ao nível da promoção e preservação dos produtos locais através de eventos como o Avis tem Sabor, entre outros».

«De destacar ainda a pontuação relativa à Qualidade do Ar e Informação ao Público, que se concretizou em acções como a renovação da frota automóvel municipal; a conclusão da construção do Corredor Ciclável e Pedonal, que incentiva a mobilidade sustentável; ou a substituição da luminária pública por LED».

O programa ECO XXI, promovido pela ABAE – Associação Bandeira Azul da Europa, visa identificar e reconhecer as boas práticas de sustentabilidade a nível municípal, avaliando 22 indicadores como a «educação ambiental, energia, água, ar, conservação da natureza, instituições, sociedade civil, turismo sustentável ou o ordenamento do território».

Dezenas de associações e organismos compõe a Comissão Nacional, que avalia as candidaturas dos municípios portugueses. Entre elas, conta-se a Agência Portuguesa do Ambiente, o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, a Quercus e as universidades de Coimbra, Minho, Aveiro, Lisboa e a Nova de Lisboa.

Tópico