|cooperação

Venezuela recebeu 69 toneladas de medicamentos provenientes da China

O novo lote de medicamentos e materiais recebido pela Venezuela integra-se na ponte humanitária estabelecida entre ambos os países, informaram fontes oficiais.

Créditos / @MinSaludVE

O Ministério venezuelano da Saúde confirmou este domingo a chegada ao Aeroporto Internacional Simón Bolívar, em Maiquetía, de 69 toneladas de medicamentos e material médico provenientes da China, o que, segundo as autoridades do país sul-americano, evidencia «o fortalecimento das relações bilaterais».

O lote, transportado num voo da linha aérea venezuelana Conviasa, contém material cirúrgico, equipamento médico, odontológico, acessórios, peças para reparação de equipamentos médicos e material para combater a Covid-19, refere a TeleSur.

Com este, chega a 42 o número de voos provenientes do país asiático no âmbito da Ponte Aérea China-Venezuela, acrescenta a fonte, referindo que estas acções fazem parte do esforço do Governo venezuelano para garantir à população saúde gratuita e de qualidade, apesar das medidas coercivas unilaterais que lhe são impostas pelos EUA.

Além de apoiar o país sul-americano em matéria de saúde, a China estreitou os laços económicos com a Venezuela nos últimos anos, algo que as autoridades venezuelanas reconhecem como essencial para fazer frente ao bloqueio norte-americano.

China vai aprofundar cooperação com América Latina e Caraíbas

Numa conferência de imprensa em Pequim, esta segunda-feira, o ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi, manifestou a vontade de trabalhar mais com a América Latina e as Caraíbas, tendo sublinhado que se trata de «uma região promissora e vital» e que «não é o pátio das traseiras de ninguém».

«Aquilo de que as pessoas nesta região precisam é de justiça e cooperação mutuamente benéfica, não de política de poder, hegemonia ou intimidação», disse Wang, citado pela agência Xinhua.

A China e os países da América Latina e Caraíbas têm «a aspiração comum da independência, do desenvolvimento e da revitalização», disse o diplomata, que lembrou o reforço da cooperação com os países da região desde o início da pandemia de Covid-19.

Segundo referiu, a China forneceu quase 400 milhões de doses de vacinas à América Latina e Caraíbas, e o ano passado as trocas comerciais entre ambas as partes ultrapassou os 400 mil milhões de dólares pela primeira vez.

Tópico