|Brasil

Seguidores de Bolsonaro publicam lista de inimigos

Ainda não queimam livros, mas já produzem e divulgam nas redes sociais listas de inimigos que pretendem boicotar. É um começo.

Apoiantes de Jair Bolsonaro festejam a vitória do candidato da extrema-direita, em frente ao condomínio deste, 28 de Outubro de 2018, Rio de Janeiro, Brasil.
Apoiantes de Jair Bolsonaro festejam a vitória do candidato da extrema-direita, em frente ao condomínio deste, 28 de Outubro de 2018, Rio de Janeiro, Brasil. CréditosFonte: Exame/Brasil (Ueslei Marcelino/Reuters)

Seguidores do presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, publicaram em redes sociais uma lista com mais de 700 «inimigos» do ex-capitão do Exército e saudosista da ditadura militar que assolou o Brasil, para os quais pedem um boicote.

O apelo foi feito por intermédio da aplicação What’s App (a qual já tem o triste cadastro de ter servido para a produção e divulgação de notícias falsas promovidas pela candidatura e pelos apoiantes de Bolsonaro) e os visados são personalidades do mundo do cinema, jornalistas, escritores e artistas que apelaram ao voto contra o candidato da extrema-direita, na recente campanha presidencial.

Os escolhidos, segundo a cadeia TVSur, foram assinantes do manifesto «Democracia Sim» que, há beira das urnas e face à perspectiva de vitória de Jair Bolsonaro, alertavam para o risco que corria a democracia brasileira e convidaram os eleitores a unirem esforços em defesa da liberdade e da democracia.

Entre os «inimigos comunistas» – como são designados no jargão dos apoiantes do novo presidente, contam-se as actrizes Patrícia Pitanga e Patrícia Pillar, o jornalista Fernando Morais e os cantores Caetano Veloso, Chico Buarque e Gilberto Gil – estes foram perseguidos pela ditadura militar que o ex-capitão do exército tanto admira.

 

Tópico