|Índia

Milhões protestam contra Modi e exigem outro rumo para a Índia

A greve geral, convocada por uma plataforma de dez sindicatos e outras organizações, mobilizou milhões de trabalhadores contra as políticas económicas do governo liderado pelo primeiro-ministro, Narendra Modi.

Mobilização, no contexto da greve geral, no estado de Tamil Nadu
Mobilização, no contexto da greve geral, no estado de Tamil Nadu Créditos / @cpimspeak

Num comunicado anterior à greve geral, divulgado no portal do Centro de Sindicatos Indianos (CITU, na sigla em inglês), os promotores da jornada de protesto afirmaram esperar uma participação não inferior a 250 milhões de trabalhadores, na expectativa de reverterem «as políticas contra os trabalhadores, o povo e o país».

Hoje, o CITU dá conta da elevada adesão entre funcionários públicos e do sector privado, trabalhadores portuários, dos seguros, da banca e dos transportes – a estrutura sindical referida estima que, só no sector dos transportes, em todo o país, 35 milhões de trabalhadores tenham feito greve.

Por seu lado, o Partido Comunista da Índia (Marxista) – PCI (M) – destaca «a magnífica acção colectiva» de hoje, num contexto marcado por «condições de vida extremamente difíceis», devido às políticas levadas a cabo pelo governo de Narendra Modi.

Os comunistas indianos valorizam igualmente a «enorme participação» dos camponeses e trabalhadores agrícolas, algo que, em seu entender, evidencia as dificuldades que se vivem nas áreas rurais.

Trabalhadores em greve no estado de Haryana Créditos

Também destacado pelo PCI (M) é o facto de as organizações de estudantes terem passado a palavra a favor da greve, de modo a sublinhar «os custos crescentes na Educação e os ataques à democracia nos espaços universitários». A adesão dos docentes nos vários graus de ensino foi ampla.

Segundo os sindicatos e o PCI (M), a adesão à greve geral foi «total» no estado de Kerala e de Manipur, e «quase total» no de Tripura, onde os trabalhadores fizeram frente à brutalidade dos «brutamontes» ao serviço do partido no poder e da admnistração local.

Em Bengala Ocidental, a adesão à greve foi «muito grande», enquanto em Assam, Bihar, Jharkhand, Punjab, Odisha, Madhya Pradesh, Tamil Nadu, Maharashtra, entre outros estados, foi «bastante significativa».

Defender o emprego, aumentar os salários e o investimento

Entre as exigências divulgadas pela plataforma que convocou a greve geral, contam-se: o aumento do salário mínimo nacional para 21 mil rupias por mês; a criação de uma pensão mínima de dez mil rupias por mês; segurança social universal para todos os trabalhadores; medidas em defesa da criação de emprego e contra a destruição de postos de trabalho.

Com esta paralisação nacional, os sindicatos denunciam: a política crescente de privatizações, nomeadamente de sectores-chave do Estado (ferrovia, aviação, seguros e Defesa); o desinvestimento no sector público; as alterações na legislação laboral que favorecem o patronato e o surgimento da precariedade; o aumento de preços e a especulação; a Emenda à Lei da Cidadania.

Tópico