|Espanha

Meio século de luta e resistência do povo saarauí à vista no Congresso espanhol

Uma exposição fotográfica sobre a resistência saarauí ao colonialismo e à ocupação foi inaugurada no Congresso dos Deputados, em Madrid, para lhes lembrar que Espanha tem responsabilidades históricas.

José Luis de Pablos fala na inauguração da mostra fotográfica Créditos / Alouda Cantabria

A mostra inaugurada no último sábado é uma pequena selecção de um projecto amplo que visa recuperar a memória gráfica do povo saarauí através da digitalização de 5000 fotografias.

Intitulado «Memória gráfica do povo saarauí 1970-2023», o projecto tem sido dinamizado pela Alouda – associação de amigos do povo saarauí da Cantábria, em coordenação com o Ministério da Cultura da República Saarauí.

Segundo explica a agência Sahara Press Service (SPS), a iniciativa abrange imagens da história do Saara Ocidental desde os anos 60 até à actualidade, sendo que as fotografias foram cedidas gratuitamente por fotógrafos, fotojornalistas, associações e pessoas a título individual que, nalguma etapa, acompanharam o povo saarauí e tiveram oportunidade de captar cenas da vida política ou do quotidiano, tornando-os assim testemunhas da ocupação, do êxodo, da guerra, do exílio.

Discursa Ángel Oria, presidente da Alouda Cantabria, instituição co-responsável pelo projecto de digitalização fotográfica para preservar a memória do povo saarauí / Alouda Cantabria

Na inauguração, refere a fonte, interveio José Luis de Pablos, autor de algumas das mais emblemáticas fotos dos inícios da Frente Polisário, tendo explicado as circunstâncias que o levaram ao território do Saara Ocidental no começo da década de 1970 e como conseguiu documentar os protestos saarauís face à chegada da missão da ONU ao Saara Espanhol.

Sublinhando que a exposição é um apelo à acção e recordando a todos a necessidade de manter viva a memória dos que lutam pela sua liberdade e justiça, De Pablos insistiu que este projecto «são vozes silenciadas que hoje querem ser ouvidas e querem substituir a palavra esquecer por recuperar».

«Deviam servir também para reconhecer uma parte da nossa história muitas vezes invisibilizada, negada. Porque recordar é um direito para o povo saarauí, mas julgamos que para Espanha é também um dever», disse.

Em nome do povo saarauí, o delegado da Frente Polisário em Espanha, Abdulah Arabi, disse que a exposição e os debates celebrados na Sala Constitucional do Congresso ocorrem depois de uma votação, no Parlamento, para exigir ao primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, que «anule a sua postura ilegal de apoio às políticas expansionistas de Marrocos sobre o território do Saara Ocidental».

«Através desta jornada, reforçámos novamente este consenso que sempre caracterizou a solidariedade com o povo saarauí e o apoio das forças políticas e movimentos da sociedade civil», acrescentou.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui