Cerimónia realizou-se em Havana, na noite passada

«Hasta la victoria siempre!»: líderes mundiais prestam tributo a Fidel

Muitos milhares de cubanos prestaram homenagem a Fidel Castro enchendo a Praça da Revolução, em Havana, num acto que contou com a participação de centenas de dirigentes e personalidades internacionais.

Milhões de pessoas participaram na cerimónia de homenagem ao líder da Revolução Cubana, Fidel Castro, na Praça da Revolução em Havana, Cuba, 29 de Novembro de 2016.
Milhões de pessoas participaram na cerimónia de homenagem ao líder da Revolução Cubana, Fidel Castro, na Praça da Revolução em Havana, Cuba, 29 de Novembro de 2016. CréditosErnesto Mastrascusa / Agência Lusa

Aos milhares de cubanos, juntaram-se presidentes, dirigentes e personalidade de todo o mundo, que prestaram homenagem ao «Comandante-em-Chefe da Revolução cubana», como Raúl Castro apelidou Fidel na intervenção com que encerrou a cerimónia.

Pela tribuna montada em frente ao monumento a José Martí, o herói da independência de Cuba face a Espanha, passaram chefes de Estado e de governo, e outros dignatários e dirigentes de 17 países, de onde lembraram o contributo de Fidel para a construção de Cuba socialista, mas também para os processos de libertação, particularmente em África e na América Latina.

Com a sua participação, os presidentes Rafael Correa (Equador), Salvador Sánchez Cerén (El Salvador), Evo Morales (Bolívia), Enrique Peña Nieto (México), Daniel Ortega (Nicarágua) e Nicolás Maduro (Venezuela) testemunharam o contributo de Cuba e de Fidel no combate ao imperialismo por todo o continente americano. «Seguiremos o caminho vitorioso» de Fidel, disse o presidente da Venezuela ao povo que enchia a praça e as ruas adjacentes da capital cubana.

O contributo de Cuba para as lutas de libertação em África não foi esquecido, com o testemunho do presidente da África do Sul, Jacob Zuma, e da Namíbia, Hage Geingob, país onde o cubanos lutaram contra o regime racista do apartheid sul-africano. Também o presidente do Conselho da Nação da Argélia, Abdelkader Bensalah, se referiu a Fidel, que considerou «uma das maiores personalidades da história contemporânea».

Raúl Castro: «Hasta la victoria siempre!»

O presidente do Conselho de Estado e do Conselho de Ministros de Cuba, Raúl Castro, utilizou as memórias de momentos marcantes dos últimos 57 anos naquela mesma praça para lembrar as batalhas e as conquistas da Revolução Cubana, de que Fidel foi protagonista e obreiro.

Da concentração camponesa de 1959, onde Fidel declarou «a Reforma Agrária já», à Tribuna Aberta da Juventude, dos Estudantes e dos Trabalhadores, em 2000, Raúl lembrou os contributos de Fidel para os avanços no âmbito da alfabetização, da resistência face ao bloqueio norte-americano e da afirmação do desenvolvimento soberano do país caribenho.

«Aqui mesmo, nesta praça, escutámos o Comandante-em-Chefe, em Outubro de 1967, para render tributo ao inolvidável Comandante Che Guevara, e a ela regressámos, 30 anos depois, durante a etapa mais dura do Período Especial», para nos comprometermos que seguiríamos o seu exemplo imortal», lembrou o dirigente cubano.

Raúl Castro referiu ainda a declaração de Cuba como «território livre de analfabetismo», menos de três anos após a tomada de Havana, em 1961. Num contexto em que milícias armadas atacavam as brigadas de alfabetização que mobilizaram centenas de milhares de professores e estudantes, Fidel afirmou: «Os jovens têm o futuro nas suas mãos».

«Aqui, onde nos reunimos durante mais de meio século, em momentos de extraordinária dor, ou para honrar os nossos mártires, proclamar os nossos ideiais, consultar o nosso povo sobre importantes decisões e comemorar as nossas vitórias, dizemos-te junto ao nosso povo heróico: Hasta la victoria siempre», concluiu.