|E o mundo é a nossa tarefa

Urgência

E o mundo é a nossa tarefa é uma escolha semanal de Manuel Augusto Araújo.

https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/7552.jpg?itok=Yzgio7Kk
Menez, Sem Título
Menez, Sem TítuloCréditosMenez

Urgência

Um homem chegou e deitou-se, 
era aquele que avançava contra o vento frio, 
que se abraçava às palavras, às árvores, às flores
e no seu ventre amanhecia a luz de uma chaga,
de onde saiu um pássaro.
As nuvens voavam à altura dos seus olhos 
e era preciso escutar a voz, o canto das sílabas
que sufocava no sangue,
a urgência, a terra contra o sangue
que corria nos veios azuis do seu corpo. 
Na claridade do seu olhar movia-se velozmente 
a paisagem, como em incertos dias de Verão, 
nos seus olhos iluminava-se o assombro,
reflectiam-se as imagens e as sílabas da catástrofe,
a obscura gramática que neles se desenhava 
em linhas de solidão, como sulcos de água, 
escoando-se lentamente.
Era preciso lembrar a luz, recordar os vestígios,
o canto que emanava das vísceras, interrompendo o mundo, 
era ali o início do círculo, o lugar onde tudo recomeçava, 
o começo da liberdade, exacto, 
recapitulando o destino do voo alucinado, na noite.
E era preciso não temer os nomes, a escuridão, 
a alquimia que tudo funde, emergindo do sonho.
Era preciso não temer as imagens que se sucediam,
a memória interrompida, antigos nomes
que se escreviam contra as raízes, para que cantasse 
a glória da infância renascida.
Na claridade do seu olhar, era já a morte em sonhos,
florescendo no horizonte do tempo 
e então disse-me: bebe da minha luz,
bebe, a noite descia, puro anil,
bebe do meu sangue, bebe-me,
só aí terei sido porque te vi. Sou tu.

          Maria João Cantinho

Tópico

0 Comentários

no artigo "Urgência