|Coimbra

Teatro, música e leituras em Coimbra, no Teatro da Cerca de São Bernardo

A programação de Dezembro do Teatro da Cerca de São Bernardo, em Coimbra, inclui os mais recentes espectáculos das companhias DEMO e Teatro do Nordeste, bem como dois especialíssimos concertos.

Cena de «Armadilha», peça da companhia DEMO (Dispositivo Experimental, Multidisciplinar e Orgânico) em co-produção com o Centro Cultural de Vila Flor, criada a partir do universo literário de obras de Rui Nunes («A mão do oleiro», «Barro», «Armadilha»), estreada no FITEI em 2019.
Cena de «Armadilha», peça da companhia DEMO (Dispositivo Experimental, Multidisciplinar e Orgânico) em co-produção com o Centro Cultural de Vila Flor, criada a partir do universo literário de obras de Rui Nunes («A mão do oleiro», «Barro», «Armadilha»), estreada no FITEI em 2019. Créditos / DEMO (Dispositivo Experimental, Multidisciplinar e Orgânico)

Os mais recentes espectáculos da DEMO e do Teatro do Noroeste e dois especialíssimos concertos, com as Segue-me à Capela e a Filarmónica União Taveirense, marcam a programação de Dezembro do Teatro da Cerca de São Bernardo (TCSB), em Coimbra.

Armadilha e Rotweiller

Apresentando-se pela primeira vez no Teatro da Cerca de São Bernardo, a DEMO (Dispositivo Experimental, Multidisciplinar e Orgânico) mostra ao público de Coimbra Armadilha, nos dias 6 e 7 de Dezembro– sexta e sábado, às 21h30.

Trata-se de uma criação a partir do universo literário do escritor Rui Nunes, integrada numa pesquisa que visita a trilogia de obras A Mão do Oleiro, Barro e Armadilha e cruza «as artes performativas e plásticas para a exploração de diferentes formas de interacção com este material literário». O universo de Rui Nunes é inconfundível – assinala a DEMO – «pela forma como o escritor explora a dilatação dos limites da linguagem, pelo desregramento e contínua suspensão, e pela nova abordagem a uma forma narrativa livre». A sua «realidade-ficção» revela «inquietações contemporâneas: identidade, nomadismo, pátria» e «fissuras autobiográficas: a infância como espaço de absoluta liberdade, o envelhecimento, a ruína, o osso, a fome insaciável e a impossibilidade da fuga» – acrescenta o grupo.

Armadilha é uma co-produção DEMO com o Centro Cultural Vila Flor e estreou em 2019, no Porto, no âmbito do FITEI – Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica.

Cena de «Rotweiller», peça do dramaturgo espanhol Guillermo Heras, encenada por Ricardo Simões e estreada em 2019 pelo Teatro do Noroeste-Centro Dramático de Viana, em Viana do Castelo. Créditos

O Teatro do Noroeste – Centro Dramático de Viana apresentará a 19 de Dezembro, quinta-feira, em sessão única, Rotweiller, peça escrita pelo dramaturgo espanhol Guillermo Heras e encenada por Ricardo Simões.

Recordando uma frase de Nietzsche – «Não existe verdade. Apenas versões.» – o espectáculo aborda um tema de premente actualidade: as fake-news, ou notícias falsas. «Afinal, para que serve uma notícia verdadeira?» – pergunta o Teatro do Noroeste. «Uma mentira pode ser difundida como sendo verdade para todo o mundo e para milhões de pessoas, de forma instantânea. O próprio termo mentira tornou-se politicamente incorrecto, mediaticamente proibido, inter-pessoalmente deselegante. Agora chama-se pós-verdade. E uma verdade que é pós, pode ser qualquer coisa. Até uma mentira embrulhada em papel de verdade. Difundida até ao infinito. Até à náusea. Até um Rottweiler.» – escreve a companhia sediada em Viana do Castelo, na apresentação desta sua recente criação.

Segue-me à Capela e Filarmónica União Taveirense fazem aniversários «redondos»

As Segue-me à Capela, conjunto de sete vozes femininas que nos oferecem uma bela e singular visita ao cancioneiro tradicional português, fazem 20 anos. A  formação de Ananda Fernandes, Catarina Moura, Joana Dourado, Mila Bom, Guida Pinheiro, Maria João Pinheiro e Sílvia Franklim interpreta um repertório constituído por cantares tradicionais recolhidos por Michel Giacometti, José Alberto Sardinha e GEFAC – como «Venho de Macelada» ou «Senhora do Almortão». A Escola da Noite orgulha-se de se associar aos festejos, acolhendo o concerto comemorativo, com vários convidados, a 14 de Dezembro, sábado, às 21h30.

Imediatamente antes do Natal, a 22 de Dezembro, domingo, pelas 16h, a programação de 2019 do TCSB encerra com um concerto de apresentação, pela Filarmónica União Taveirense, do CD com que assinala o seu 150.º aniversário – disco gravado em Março deste ano, na sala onde agora é apresentado. A Filarmónica União Taveirense, fundada a 21 de Abril de 1864, é uma das mais antigas bandas filarmónicas portuguesas. Além das suas actividades como grupo musical sempre cumpriu com fidelidade os objectivos para os quais foi criada: fomentar o desenvolvimento da cultura e da música local e regional.

Dada a lotação limitada da sala, os bilhetes, segundo a organização, podem e devem ser reservados.

Clube de Leitura Teatral acolhe textos do Laboratório do Teatro Nacional D. Maria II

A sessão de Dezembro do Clube de Leitura Teatral é já no dia 3 de Dezembro, terça-feira, e terá lugar na Sala do Carvão da Casa das Caldeiras, pelas 18h30. Vão ser lidos alguns textos produzidos no âmbito do Laboratório de Escrita para Teatro do Teatro Nacional D. Maria II, que decorreu entre Outubro de 2015 e Julho de 2019. Dirige a sessão o dramaturgo, investigador e professor universitário Rui Pina Coelho, que coordenou a iniciativa do Teatro Nacional. A entrada é gratuita.

Tópico