Pós-laboral #15

As novelas de uma cultura abaixo de zero que não honram nem os Lumière, nem Camilo. Cultura em Luta, com Camilo e os inventores do cinema. 

Thierry Frémaux
Thierry FrémauxCréditos / lalibre.be

Nas folhas: 

Eu sei que se calhar já vai tarde. Ou se calhar estas coisas nunca vêm tarde. Estou a ler pela primeira vez Camilo Castelo Branco, Novelas do Minho. Andei durante anos a perder um imaginário altamente imaginativo (forçando o pleonasmo) mas sem nunca perder uma ligação umbilical ao real das pessoas, dos hábitos e, o que até agora mais me tem agradado, da fala. Do(s) modo(s) de falar, dos trejeitos, da quantidade astronómica de palavras diferentes que Camilo usa numa só novela. 

E quanto mais leio mais me pergunto porque é que não estamos cheios de filmes baseados nestas novelas. Depois começo a pensar nos custos de uma produção cinematográfica baseada numa destas novelas e pergunto-me se temos, hoje em dia, alguma hipótese (dinheiro) de, sem grandes adaptações, realizar uma longa baseada numa destas histórias. Temo que não... 

Confesso que muitas vezes acabo por me distrair do enredo destas novelas, fixo-me na construção das frases, no ritmo das frases. Descobri agora, tarde, Camilo, mas duvido que o deixe tão cedo. Assim como assim é raro rir-me sozinho a ler um livro...

Nos ecrãs:

E por falar em cinema... Está nas salas o documentário Lumière! de Thierry Frémaux. O realizador organizou imagens de mais de 100 obras restauradas dos inventores do cinema, naquele que pretende ser uma homenagem ao cinema, aos seus criadores e a todos os que se lhes seguiram.

Esta semana vou tentar tirar um tempo para ir ver, por certo que vale a pena. 

Nas ruas: 

OK, vou pular a minha semana de sugestões e falar-vos de duas datas importantes para a Cultura, para os criadores e trabalhadores. 

No dia 4 de Novembro, no Largo Residências, em Lisboa, o CENA-STE celebra a fusão! Eram dois sindicatos, agora, felizmente, é só um! Vai haver principalmente convívio, alguma música, leituras e petiscos. É entre as 16h30 e as 20h, mas que este dia se prolongue em dias de lutas e principalmente de conquistas. A quem interessar e quem quiser divulgar, pode utilizar este evento de Facebook

No dia 6 de Novembro, e porque o Orçamento do Estado para a Cultura continua a ser um mísero zero vírgula quê?, a Plataforma Cultura em Luta promove uma acção de protesto no Campo das Cebolas, em Lisboa, a partir das 18h. Entretanto, e porque é preciso agir de várias formas e feitios, fica o convite para a subscrição e divulgação do comunicado ontem lançado pela Cultura em Luta.