|cinema

O IndieLisboa está de volta

A 19.ª edição do festival realiza-se de 28 de Abril a 8 de Maio, em Lisboa, nas salas do Cinema São Jorge, da Culturgest, da Cinemateca Portuguesa, do Cinema Ideal e da Biblioteca Palácio Galveias.

Créditos / rtp.pt

Esta edição de IndieLisboa apresenta um total de 250 filmes, com a Competição Nacional de Longas mais extensa da história deste festival. Em relação às nove longas-metragens, a escolha recaiu em autores de gerações diferentes que os organizadores consideram uma prova da vitalidade que o cinema português vive actualmente.

Atrás Dessas Paredes, de Manuel Mozos, Mato Seco em Chamas, de Adirley Queirós e Joana Pimenta, O Trio em Mi Bemol, de Rita Azevedo Gomes, ou Via Norte, de Paulo Carneiro, são algumas das obras a concurso.

Quanto às curtas-metragens, as escolhas reúnem um misto de autores estabelecidos e novos cineastas, dos quais destacamos: Às Vezes Os Dias, Às Vezes A Vida, de Janine Gonçalves; O Banho, de Maria Inês Gonçalves; Azul, de Ágata de Pinho, e Mistida, de Falcão Nhaga.

Na Boca do Inferno, secção do IndieLisboa dedicada a uma programação que envolve filmes desconcertantes e temas fracturantes, conta com oito curtas e quatro longas, como She Will, de Charlotte Colbert, e Holy Emy, de Araceli Lemos.

Quanto à secção Novíssimos, é dedicada a jovens cineastas que estão a dar os primeiros passos. Catástrofes Naturais, de Margarida Pinto da Fonseca, e Milagre de Agualva Cacém, de Ricardo Guimarães, são alguns dos 12 filmes apresentados.

A secção Sessões Especiais terá na sessão de abertura os filmes Albufeira, curta-metragem de António Macedo e Zéfiro, de José Álvaro de Morais, enquanto a sessão de encerramento fica para A Viagem de Pedro, que é como quem diz, Pedro IV de Portugal e Pedro I do Brasil, de Laís Bodanzky.

Por esta secção, passarão os documentários de João Botelho, O Jovem Cunhal, focado nos primeiros anos da vida do histórico dirigente do PCP, e Uma Coisa em Forma de Assim, baseado na obra de Alexandre O’Neill.

Também Sita  A Vida e o Tempo de Sita Valles, de Margarida Cardoso, que aborda o percurso desta activista e anticolonialista, Lisboa, Cidade Triste e Alegre, um filme de João Trabulo baseado no livro de fotografia dos arquitectos Victor Palla e Costa Martins, e Um Nome para o Que Sou, de Marta Pessoa, sobre Maria Lamas, uma figura central do feminismo português.

Por fim, o programa Cinema e 5L, realizado em parceria com o Lisboa 5L, o novo Festival Literário da cidade de Lisboa, junta cinco filmes onde a literatura é protagonista, nomeadamente Correspondências, de Rita Azevedo Gomes, e News from Home, de Chantal Akerman.

Tópico