|E o mundo é a nossa tarefa

E o mundo é a nossa tarefa #117

Esta semana o poema A Perfeição das Coisas de Manuel Gusmão e a obra Danae, Gustav Klimt. E o mundo é a nossa tarefa é uma escolha semanal de Manuel Augusto Araújo.

Danae, Gustav Klimt
Danae, Gustav KlimtCréditos

A Perfeição das Coisas

O vento — finalmente no fogo do dia — o vento do mundo
neste lugar aberto
escreve a inclinação dos jovens álamos na última colina
contra o céu para sempre novo e antigo.
As mãos do vento escrevem em verso ramos e folhas, pontos
    e traços
a sombra da luz; encurvam para a esquerda e em cima
as hastes longas e breves: as vogais aéreas
da paisagem terrestre que teríamos esquecido.
É subitamente que o vês claramente visto
repetindo a origem do tempo:
é uma caligrafia de acaso
Mas é uma caligrafia minuciosa nítida;
Inquieta e exacta;
ofuscante como a incriada perfeição das coisas.
Numa outra folha ou margem ou luz ou lugar do mundo
és tu agora. Levantas o vestido leve; os teus dedos
enrodilham-no, subindo-o numa onda irrepetível e
contudo, repetida vezes sem conto.
As tuas mãos enquanto quase quase danças — embora
apenas andes sobre o imortal chão da casa —
sobem o pano
de algodão, apanham a bainha, colhem as asas do escasso
mar
que te cobria e
levam-nas até à linha irrevogável das ancas
se prender o vestido à levíssima ondulação
do mundo andante.
É como se uma onda no corpo abrisse lenta e fulminante
a incalculável praia ao esplendor em que cada coisa se diz
como se cantasse o nome do sem nome.
A curvatura daquelas hastes e a onda vertical que o teu gesto
    inventa
escrevem então a infindável passagem entre os separados mundos
e a isso só podemos chamar a alegria.

Manuel Gusmão

E o mundo é a nossa tarefa é uma escolha semanal de Manuel Augusto Araújo.

Tópico