|direitos sindicais

Trabalhadores protestam contra ataque à liberdade sindical na AREPAL

Mesmo depois de condenada pela ACT a devolver a uma delegada sindical o valor descontado pelos dias em que estava a desempenhar essas funções, a direcção do lar insiste em limitar a actividade sindical.

Créditos / hoyweb

A acção de protesto desta quarta-feira foi promovida pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços (CESP/CGTP-IN), junto à Associação para Serviço de Apoio Social a Reformados da EPAL (AREPAL), em Lisboa, e teve como objectivo denunciar os ataques ao livre exercício da actividade sindical e aos direitos dos trabalhadores.

Segundo o sindicato, a actual direcção da AREPAL «não reconhece que a liberdade sindical é um direito constitucional e que os trabalhadores têm a garantia da defesa dos seus direitos e interesses».

Desde que tomou posse a nova direcção da AREPAL tem tido «uma atitude de desrespeito» para com o CESP, acrescenta a organização em comunicado, tentando impedir os contactos de dirigentes e delegados sindicais com os trabalhadores no seu local de trabalho.

Tentou ainda atribuir faltas injustificadas a uma delegada sindical, nos dias em estava requisitada para desempenhar estas funções. No entanto, após intervenção do CESP junto da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), a direcção foi obrigada a devolver à trabalhadora o dinheiro descontado.

O esforço de trabalhar durante 15 dias seguidos, nos períodos mais duros da pandemia, foi «esquecido» pelo presidente da instituição, afirma o sindicato, uma vez que se recusa a discutir as reivindicações destes trabalhadores.

Queixam-se de horários desregulados, da falta de qualidade e quantidade das refeições, e da retirada dos três dias de majoração de férias aos trabalhadores que estiveram em isolamento profiláctico por ordem da Direcção-Geral da Saúde.

Tópico