Os cucos

Para estes Cuculus Canorus da política não importa muito a origem da ave hospedeira, pode ser um Cafôfo qualquer, pode ser um dissidente da CDU, pode ser um movimento com as mais variadas origens, desde que isso lhes permita colocar o seu ovo sem ter o trabalho de fazer o ninho e depois alimentar a cria tudo serve.

Créditos / folhadodomingo

O guia de Aves publicado pela Assírio Alvim é o guia de campo mais completo das Aves de Portugal e da Europa. Este guia que nos apresenta todas as espécies de Aves existentes hoje nestes territórios, permite-nos conhecer melhor uma espécie de Ave cujo nome científico é Cuculus canorus e a que nós vulgarmente chamamos de Cuco.

O Cuco, de acordo com este guia, na sua página 220, «…é versátil na escolha de habitat, pode ser encontrado em todo o tipo de bosques, campos de cultivo, terras alpinas e matos costeiros. Estival (Abril-Setembro) e invernante na África Tropical. De fácil observação na época de reprodução porque pousa em áreas abertas e tem chamamento muito familiar. Parasita vários hospedeiros; cada fêmea de cuco especializa-se numa espécie, pondo ovos miméticos».

Este é pois o tempo dos Cucos e como a breve descrição mostra estas Aves têm um comportamento muito próprio e invulgar no reino animal, a fêmea do cuco procura lares adoptivos para os seus ovos. Quando encontra um hospedeiro apropriado, aves cujos ovos se assemelham ao dos cucos, ela espera até que o ninho deixe de estar vigiado. Retira então um dos ovos dos hospedeiros e põe um dos seus no lugar.

Os filhotes do cuco também já apresentam um estratagema de sobrevivência traiçoeiro, aparentemente gravado geneticamente, pois, segundo David Attenborough, apenas ao saírem dos ovos, empurram para fora do ninho os recém-nascidos autênticos de uma ninhada, tomando-lhes o lugar.

Aqui chegado, o leitor certamente já encontrou semelhanças entre esta forma engenhosa e traiçoeira de se reproduzir do Cuco, que deixa para os outros todo o trabalho minucioso de escolha de um local seguro e de transporte do material para a construção do ninho, para depois vir a colocar aí os seus ovos e, o comportamento de uma certa força política que todos conhecemos e que sem tempo para semear, quer no entanto colher tanto ou mais do que os outros.

Para estes Cuculus Canorus da política não importa muito a origem da ave hospedeira, pode ser um Cafôfo qualquer, pode ser um dissidente da CDU, pode ser um movimento com as mais variadas origens, desde que isso lhes permita colocar o seu ovo sem ter o trabalho de fazer o ninho e depois alimentar a cria tudo serve.

Voltando ao guia de Aves e à sua página 220, afinal não são quatro as espécies nidificantes de Cucos, mas cinco, sendo que esta quinta é recente e de geração humana e atrevo-me desde já a apelidá-la de Cuculus Canorus BE.