|Lisboa

Estacionar na baixa lisboeta pode custar 3 euros por hora

A empresa pública de estacionamento adicionou as cores castanha e preta à sinalética da cidade, com o custo por hora de dois e três euros, respectivamente. Medida vai estender-se a várias freguesias.

Créditos / Mitula

Anunciado em 2019, o reordenamento entrou em vigor esta quarta-feira, dia do regresso das tarifas, nas freguesias da Misericórdia e de Santa Maria Maior, que agora têm novas cores no estacionamento. Ambas são mais caras do que a zona vermelha, mas com as mesmas duas horas de limite de paragem. 

Com um custo de três euros por hora, a zona preta vai estender-se a outras freguesias da cidade, como Santo António, ainda em Abril, e Avenidas Novas, Campolide e São Domingos de Benfica, no próximo mês de Maio. 

O argumento utilizado pela Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) para a actualização das tarifas é aquele a que sempre se recorre para taxar o estacionamento na via pública: reduzir a circulação automóvel e «garantir qualidade de vida» de residentes e visitantes. Mas essa não tem sido a percepção nalgumas freguesias, onde se reivindicam mais e melhores transportes públicos e se defende que a introdução das tarifas não resolve o problema do estacionamento na capital.

De acordo com o mapa de cores da EMEL, a zona verde é a mais barata, com um valor/hora de 80 cêntimos, seguindo-se a amarela (1,20 euros/hora), que tal como a anterior permite uma duração máxima de quatro horas de estacionamento. A vermelha (1,60 euros/hora), que até agora era a mais cara, passa a estar no meio da tabela. 

Tópico