Estrada da Liberdade

No passado dia 3 de Outubro assinalaram-se 50 anos sobre a morte de Woody Guthrie, poeta, cantor, compositor, desenhador, escritor e aventureiro, que soube como ninguém cantar o sentir, o viver e o sofrimento das gentes de trabalho da imensa América.

https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/woody_guthrie_wik_res.jpg?itok=zjg7QVqG
Woody Guthrie
Woody GuthrieCréditos

Woody não deixou apenas um legado que inspirou gerações de autores como Bob Dylan, Bruce Springsteen ou a Beat Generation. Ele deu uma voz, uma cara ao seu povo e uma guitarra que, ela própria carregada das vivências e das lutas dos deserdados do sonho americano, trazia estampada a mensagem, «Esta máquina mata fascistas!»

O rapaz franzino do Oklahoma media pouco mais de metro e meio, mas correu a America de costa a costa a partir do dia em que se lançou à estrada aos 19 anos, recolhendo e aprendendo o cancioneiro tradicional e os blues que cantava onde quer que pudesse e com que mais tarde viria a temperar as suas próprias canções de protesto, dedicadas à luta da classe trabalhadora.

A sua história trágica e heróica foi marcada pelas viagens, pela pobreza, pela seca que assolou a América na década de 30, pelo desemprego e a crise capitalista de 1929, pela brutalidade da polícia e dos capatazes, o racismo, pelo fogo destruidor, pela Segunda Guerra Mundial, da vagabundagem até ao reconhecimento artístico.

Tudo isso transformou Woody Guthrie numa figura central da cultura americana, um dos maiores nomes da cultura do século XX, uma das mais iluminadas vozes da liberdade e da resistência dos trabalhadores de todo mundo. A doença degenerativa acabaria por vencê-lo com apenas 55 anos, mas é de luta, amor e raiva que se escreve a história do maior trovador americano.

Apesar de a sua família ter algumas posses acima da média da pequena Okemah,  Oklahoma, em 1912, quando nasceu, cedo a sua família se viu confrontada com dificuldades económicas que iriam marcar o início das deslocações da família e do jovem Woodrow Guthrie.

Aos 19 anos, Woody desloca-se para o Texas onde o seu pai procurava recuperar a vida e independência económica. Ele lança-se nessa viagem onde acompanha os emigrantes, canta as suas canções folclóricas, escreve sobre as suas lutas. É nessa altura que o período das secas prolongadas transformam aquela região dos Estados Unidos num imenso pote de pó.

O período do «Dust Bowl» destruiu os campos, as vidas daquelas gentes e a sua própria ideia de futuro. É desses anos a grande parte do repertório incluído na primeira gravação de Woody, em 1940. Baladas e blues dedicados à luta de dezenas de milhares, de milhares de pobres e refugiados na sua própria terra, perseguidos pelo pó e violentados pela polícia. 

Homens, mulheres e crianças cujas histórias Woody Guthrie fez questão de contar. Canções do fim do mundo para trabalhadores desempregados sem nada, canções que, ainda assim, perante a desgraça, clamavam por justiça.

Em 1929, o descalabro da bolsa de Nova Iorque agravou ainda mais o generalizado estado de pobreza da maioria da classe trabalhadora. Woody, como muitos outros norte-americanos, persegue o sonho de um trabalho que sustente a sua família, de Mary Jannings e três filhos.

Faz-se à estrada a caminho do El Dorado da California e dos seus pomares e prados férteis onde a propaganda brilhava com promessas de trabalho para este imenso exército de desempregados, mas cujos salários miseráveis oprimiam os milhares que atravessavam a América.

Woody consegue trabalho na rádio em Los Angeles e, cantando sobre a realidade que vivia, obtém sucesso na imensa comunidade migrante. Nesta altura toma contacto com o partido comunista e o movimento sindical, escreve para o jornal operário The Daily Worker e as suas canções tornam-se mais politizadas e engajadas com a causa socialista e dos trabalhadores.

Com o final da década de 30, Woody volta a fazer -se à estrada e, após uma curta visita ao Texas e à família, aceita um convite para trabalhar em Nova Iorque. Aí o seu trabalho ganha maior exposição e reconhecimento junto a uma nova geração de músicos apaixonados pelas raízes tradicionais da música folk e politicamente envolvidos, como Pete Seeger. 

Woody conhece Alan Lomax e grava o seu primeiro disco. Escritor e compositor incansável, as músicas não paravam de nascer no seu bloco de notas, e é nesse período que Woody escreve o imortal «This Land is Your Land», uma resposta consciente e de protesto ao anacrónico «God Bless America», de Irving Berlin.

A década de 40 é o período mais fértil de Guthrie, que no entanto não abandonou a estrada. De Nova Iorque ao Pacífico Norte e de volta a Manhattan, o período que coincide com a Segunda Guerra Mundial faz com que ele dedique grande parte do seu cancioneiro a combater o fascismo e o pesadelo nazi que se alastrava pela Europa.

São destes anos algumas das suas mais emblemáticas canções, onde o compromisso político é cada vez mais expressivo com a causa dos trabalhadores e do socialismo.

A obra de Woody Guthrie é uma das mais representativas da cultura americana. Diversa, multi-disciplinar, profundamente enraizada na experiência do seu povo e verdadeiramente comprometida com a sua causa, é pelo seu exemplo de humanismo, uma das maiores vozes da América e um farol permanente para os compositores que depois de si, pegaram numa guitarra e cantaram os seus blues.

A sua morte não apagou a luz da sua inspiração, nem as nuvens negras que de novo escurecem os céus da América podem fazer esquecer essa voz que se levantou quando os cassetetes se abatiam sobre quem protestava. 

Que as suas canções, milhares que não chegaram a ter corpo, continuem a inspirar-nos a seguir em frente, sacudir o pó e a tomar o caminho sinuoso, difícil mas inevitável, da estrada da Liberdade.

0 Comentários

no artigo "Estrada da Liberdade