|literatura

Redescobrir Mário Sacramento no Museu do Neo-Realismo

Este sábado, às 16h, é inaugurada em Vila Franca de Xira a exposição «Voltar – Mário Sacramento: a hora do ensaio», que «sonda tumultuosas profundidades» e «recupera a voz» do ensaísta.

Créditos / cm-vfxira.pt

Com curadoria de António Pedro Pita e Odete Belo, a exposição «propõe a (re)descoberta de um pensamento teórico e prático, importante no período cronológico em que se desenvolveu e muito relevante para entender as aspirações e os problemas, as tensões e as possibilidades, os obstáculos e os impasses que marcaram o século XX português», lê-se no portal do museu.

Médico, militante comunista, figura destacada do movimento da oposição democrática ao fascismo português, Mário Emílio de Morais Sacramento nasceu a 7 de Julho de 1920, em Ílhavo, e faleceu a 27 de Março de 1969, no Porto, destacando-se como ensaísta e escritor neo-realista.

A exposição, segundo refere António Pedro Pita no texto de apresentação, «resulta em grande parte de pesquisa no espólio do ensaísta» e «sugere a mesa do trabalho teórico».

Nela aparecem «artigos e apontamentos, anotações em livros, desenhos, sucessivas reformulações de textos entretanto publicados, interlocuções decisivas, a extensão no tempo de uma maturação relativamente frustrada, verso e reverso de uma situação dramática: um intelectual português que adentra problemas centrais da sua época sem condições para elaborar integralmente as respostas entretanto intuídas».

«O regresso de Mário Sacramento permite re-visitar, para repensá-lo, esse drama que marcou o século XX», diz Pita.

A entrada é livre. A exposição, patente ao público a partir de hoje, estará em exibição até 30 de Outubro deste ano.

Tópico