|literatura

«O Bairro» de Gonçalo M. Tavares é aplaudido em França

A série de dez livros do escritor, que foi publicada em França num só volume, tem recebido boas notas pela crítica, que já classificou o autor de «o Gaudí da linguagem».

Gonçalo M. Tavares
Gonçalo M. TavaresCréditosEmilio Naranjo / Agência Lusa

A editora Relógio d’Água, que actualmente publica a obra de Gonçalo M. Tavares, está a re-editar os livros da série «O Bairro» em edição francesa, que conta com um prefácio de Mathias Énard.

A crítica tem sido muito favorável e, no jornal L’Observateur, Didier Jacob considera Gonçalo M. Tavares «o Gaudí da linguagem» e, sobre a obra, refere tratar-se de uma «catedral única, onde o único culto prestado é à literatura, e com um humor surpreendente, uma erudição jocosa e uma doçura incomparável».

Também no Le Monde des Lives, Gladys Marivat descreve o escritor como «prodígio das letras portuguesas», e «O Bairro», como «um dos raros locais onde as restrições devidas ao coronavírus ainda nos permitem viajar».

Mas há mais, pois segundo Christine Marcandier, do Diacritik, a série «é uma delícia de ler», com «um olhar único sobre a barbárie do mundo contra o qual só a inventividade literária pode lutar». Já Bernard Quiriny, na Lire, entende tratar-se de uma obra que é «um tributo picante à literatura, como uma micro-utopia de papel para nos protegermos do mundo», enquanto Augustin Trapenard fala de um «projecto maluco, este mundo de sonho, este bairro maravilhoso» do escritor, e Alain Nicolas, em L’Humanité, considera que é «um bairro muito real, pois fica na cabeceira de Gonçalo M. Tavares».

Gonçalo M. Tavares, nascido em 1970, é escritor e professor universitário, tendo publicado a primeira obra em 2001. É reconhecido pela originalidade e criatividade, que para além de «Bairro», se pode ler em «O Reino», obra composta por quatro livros.

É um autor multi-premiado e aclamado pela crítica internacional, e as suas obras já estão traduzidas em mais de 50 países, assim como há diversas adaptações a peças de teatro, objectos artísticos, vídeos de arte ou ópera.

A maioria dos seus livros estão já publicados em França, país que já premiou o escritor com o Prémio do Melhor Livro Estrangeiro, entre outros.


Com agência Lusa

Tópico