|Brasil

Gilberto Gil é eleito para a Academia Brasileira de Letras

O cantor brasileiro vai assumir a cadeira 20, anteriormente ocupada pelo jornalista Murilo Melo Filho, tornando-se um «imortal» da Academia Brasileira de Letras.

Gilberto Gil no 52.º Festival de Jazz de Montreux 
Gilberto Gil no 52.º Festival de Jazz de Montreux CréditosValentin Flauraud / EPA

«Gilberto Gil traduz o diálogo entre a cultura erudita e a cultura popular. Poeta de um Brasil profundo e cosmopolita. Atento a todos os apelos e demandas de nosso povo. Nós o recebemos com afecto e alegria», afirmou, em comunicado, o poeta e ensaísta Marco Lucchesi, presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL).

«As suas canções desde cedo retratavam o seu país, e a sua musicalidade tomou formas rítmicas e melódicas muito pessoais. Seu primeiro disco, concentrava a sua forma particular de musicar elementos regionais».

Gil, que terminou no domingo a digressão europeia que passou por cinco cidades portuguesas (com a participação da cantora Adriana Calcanhotto), lançou o seu primeiro disco em 1967, dois anos antes de ser forçado ao exílio político. Gilberto Gil acabou por cumprir um mandato de cinco anos (2003-2008) como Ministro da Cultura do Brasil, nos governos de Lula da Silva.

A ABL é constituída por 40 membros, efectivos, sendo atríbuida uma cadeira a cada um, intransmissível, que devem ocupar até à sua morte. Os elementos que fazem parte da academia são chamados «imortais», ficando o seu nome perpetuamente ligado à cadeira que ocuparam.

A cadeira é declarada vaga numa sessão denominada «Saudade», após a morte do seu ocupante. Os candidatos são, depois, alvo de um votação por parte dos membros da ABL, para determinar o novo ocupante. A actriz Fernanda Montenegro foi também eleita na semana passada, para a cadeira 17.

Tópico