|Liceu Camões

«Não queremos que o telhado nos caia em cima»

Os alunos da Escola Secundária de Camões, em Lisboa, realizam uma marcha lenta em direcção ao Parlamento para alertar para a falta de condições do edifício. Há mais de 10 anos que lutam pela realização de obras. 

Papéis com palavras de protesto colados na grade da Escola Secundária Camões, sob o mote «Fartos de Blá Blá! Obras Já!»
Protesto dos estudantes em Fevereiro de 2018CréditosAntónio Pedro Santos / Agência Lusa

Os estudantes, que estiveram concentrados desde o início da manhã à porta da escola, dirigem-se a esta hora para a Assembleia da República com o objectivo de alertar, uma vez mais, para a falta de condições que enfrentam diariamente, temendo que, um dia, «o telhado lhes caia em cima». 

Para perceber melhor a dimensão do problema, o presidente da Associação de Estudantes (AE), Simão Bento, recordou que a Escola Secundária de Camões é uma escola centenária, que «nunca recebeu obras de fundo, e está basicamente original», mas degradada.

Falta aquecimento nas salas, partes do edifício já ruíram, os equipamentos desportivos estão fechados por falta de condições e são necessárias obras nas oficinas de artes e nalguns laboratórios de Biologia, entre outros espaços. 

À marcha lenta juntou-se a comunidade educativa do antigo Liceu Camões. Em declarações à comunicação social, esta manhã, o director da escola, João Jaime, sublinhava que esta é uma luta justa, que se arrasta há dez anos pela recuperação do edifício, e que «faz falta sentir que a Escola Pública é valorizada». 

Num comunicado da AE lê-se que, a par da «real efectivação das obras na Escola Secundária de Camões, de modo a garantir as condições necessárias para todos os que a frequentam e queiram frequentar no futuro», a marcha tem como objectivo reivindicar o «aumento do financiamento para a Educação, de modo a suprimir outros problemas, como a falta de funcionários», e o aumento do financiamento da Acção Social Escolar.

Tópico