|cultura

A memória que teima em permanecer:

A voz dos deserdados da indústria têxtil do Vale do Ave sobe ao palco

Na sala Estúdio do Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, até domingo, dia 11 de Fevereiro. Pela mão da companhia Casa da Esquina, de Coimbra. A peça de Ricardo Correia Eu uso termotebe e o meu pai também remete para a roupa interior produzida numa fábrica de Barcelos, há muito encerrada.

Ensaio de imprensa da peça «Eu uso termotebe e o meu pai também», no Teatro D. Maria II em Lisboa, 07 de fevereiro de 2018. A peça investiga os processos de transmissão do trabalho em Portugal, partindo da recolha de testemunhos em comunidades de operários fabris de várias cidades portuguesas, transfiguradas pelas ruínas dessa indústria e que aguardam ainda um novo El Dorado, com texto e encenação de Ricardo Correia e dramaturgia de Jorge Louraço, no Teatro D. Maria II, tem estreia marcada para o dia 08 de fevereiro.
Ensaio de imprensa da peça «Eu uso termotebe e o meu pai também», no Teatro D. Maria II em Lisboa, 07 de fevereiro de 2018. A peça investiga os processos de transmissão do trabalho em Portugal, partindo da recolha de testemunhos em comunidades de operários fabris de várias cidades portuguesas, transfiguradas pelas ruínas dessa indústria e que aguardam ainda um novo El Dorado, com texto e encenação de Ricardo Correia e dramaturgia de Jorge Louraço, no Teatro D. Maria II, tem estreia marcada para o dia 08 de fevereiro.Créditos/JOSÉ SENA GOULÃO / LUSA

Uma reflexão sobre o trabalho operário e a sua emancipação, até à actualidade, define a peça Eu uso termotebe e o meu pai também, que se estreia na quinta-feira, no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa. A peça usa no título o nome de uma camisola interior fabricada nos anos de 1980 numa fábrica têxtil de Barcelos, há muito encerrada.

Testemunhos de perto de 20 pessoas – operários fabris, empresários, sindicalistas e sociólogos –, gravados e passados para papel foram a base desta peça que a Casa da Esquina, companhia de Coimbra, apresenta em Lisboa, num gesto de «desenterrar o passado e trazê-lo para a memória dos nossos dias», explicou hoje à imprensa Ricardo Correia, autor do texto e da encenação.

Natural de Barcelos, filho, neto, primo e sobrinho de operários, há seis, sete anos que Ricardo Correia queria fazer uma peça sobre as memórias das indústrias do Vale do Ave, muitas delas já encerradas.

O convite de Tiago Rodrigues foi, assim, a «cereja no topo do bolo», já que lhe permitiu trabalhar sobre aquela realidade, tornando-se quase num «memorial» que, além de ficar fixado nas entrevistas recolhidas, é também exposto e partilhado com o público, adiantou.

«Desenterrar e voltar a mostrar [aquela realidade industrial] para que continue viva», é como Ricardo Correia define o «gesto artístico» da peça que serve também para investigar os processos de transmissão do trabalho em Portugal, em que, muitas vezes, as profissões passam de pais para filhos.

«De certa forma, essa realidade continua viva, porque as pessoas vivem ao lado das fábricas que faliram, vivem à volta desses monstros abandonados e quase não fazem o luto disso, porque é o quotidiano», sublinhou Ricardo Correia.

Alguns móveis tapados com panos brancos, uma piscina insuflável, que servirá para simular tempos de férias de operários, e um ecrã onde, de quando em vez, são projectadas imagens de trabalhadores ou de fábricas já extintas, compõem o cenário da peça em que cinco atores vão debitando os testemunhos recolhidos junto dos inquiridos.

O Vale do Ave e o declínio da indústria têxtil são assim pano de fundo de Eu uso termotebe e o meu pai também, uma peça que acaba por desenhar a história e as contradições do operariado, e invocar as lutas por melhores condições de trabalho.

Trata-se da terceira de cinco peças integradas no ciclo «Portugal em vias de extinção», e tem dramaturgia de Jorge Louraço, sucedendo a Jornalismo, Amadorismo, Hipnotismo, de Rui Catalão, e Canas 44 de Vitor Hugo Pontes.

Interpretada por Beatriz Wellenkamp, Celso Pedro, Hugo Inácio, Joana Pupo e Sara Jobard, Eu uso termotebe e o meu pai também tem espaço cénico e figurinos de Filipa Malva e movimento de Rita Grade.

Além dos intérpretes e do encenador, a investigação e documentação mobilizou também Celso Pedro, Emanuel Botelho, Filipa Malva, Joana Brites e Rita Grade.

A peça é uma co-produção do Nacional D. Maria II com o Teatro Académico Gil Vicente, de Coimbra, o Teatro Aveirense e o Centro Cultural Vila Flor, onde será representada após a saída de cartaz, em Lisboa.

Nesta sala da capital, vai estar em cena na sala Estúdio, até domingo, com a última sessão marcada para as 16h30.


Tópico