|cinema

Vem aí o Indie

Está de regresso o Indie Lisboa, entre os dias 2 e 16 de Maio. Mais de 250 filmes serão apresentados no Cinema São Jorge, na Culturgest, no Cinema Ideal e na Cinemateca Portuguesa.

Cartaz do Indie Lisboa/16.º Festival Internacional de Cinema, que decorrerá entre 2 e 16 de Maio de 2019.
Cartaz do Indie Lisboa/16.º Festival Internacional de Cinema, que decorrerá entre 2 e 16 de Maio de 2019. Créditos / Indie Lisboa

O cinema vai estar em festa em Lisboa, no mês de Maio. Está de regresso o Indie Lisboa. A 16.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Lisboa apresentará mais de 250 filmes nas salas do Cinema São Jorge, da Culturgest, do Cinema Ideal e da Cinemateca Portuguesa/Museu do Cinema, entre os dias 2 e 16 de Maio.

Esperam-se «mais de 30 mil espectadores e 400 profissionais» naquela que se pretende venha a ser uma «celebração do melhor cinema contemporâneo». A programação, como já é tradicional, inclui filmes para os mais novos no IndieJúnior, conversas e debates nas LisbonTalks e festas e concertos pela noite fora no IndiebyNight.

Pode consultar a programação no bem organizado portal do Indie Lisboa ou seguir o programa do festival, em pdf, aqui.

Anna Karina é a convidada especial do Indie Lisboa de 2019. Créditos

O Indie Lisboa é organizado pela IndieLisboa-Associação Cultural e tem por objectivo promover o cinema alternativo e apoiar a divulgação de filmes com uma menor projecção em Portugal. Iniciado em 2004, o festival tem sido bem acolhido pelo público e pelos profissionais – mais de 400 anualmente, segundo a organização. Dados objectivos homologados pelo Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) apontam o Indie Lisboa como o maior festival português de cinema, não só em número de espectadores (35 500), mas também no número de ecrãs utilizados (9), no número de sessões realizadas (265) e no número de filmes apresentados (226).

No Indie Lisboa é de não perder a programação do Indie Júnior. Créditos

O festival é composto por diferentes tipos de secções: Competição Internacional, incluindo longas e curtas metragens, em programas separados; Competição Nacional, longas e curtas metragens portuguesas, na sua maioria com primeira apresentação mundial no festival; Silvestre, obras singulares na sua linguagem e rebeldia; Novíssimos, jovens cineastas que dão os seus primeiros passos; IndieJúnior, para os espectadores mais novos; Herói Independente, homenagem a figuras nacionais ou internacionais com obra significativa; IndieMusica, ligação entre o cinema e a música; Director’s Cut, Filmes novos que mergulham na memória do cinema como sua principal inspiração e matéria-prima e filmes que retrabalham o património visual cinematográfico; e Boca do Inferno, obras que rasgam fronteiras e tabus. O filme de abertura, o filme de encerramento e estreias e programas temáticos relativos à edição corrente integrar-se-ão nas Sessões Especiais.

«Os jovens Baumann», de Bruna Carvalho Almeida, é um dos filmes do programa Brasil em Transe. Créditos

O «Brasil em Transe»

Este ano a organização destaca a cinematografia brasileira recente, fazendo um apanhado daquela que é uma geração particularmente produtiva/criativa desta arte no pais. O programa, segundo a organização, integra um conjunto diverso de filmes que tocam questões sociais, os recentes escândalos político-judiciais, as questões de inclusão, ou ainda a forma como uma sociedade heterogénea convive na inclusão da «diferença». Trata-se de um programa «assumidamente político», que questiona o futuro que o cinema brasileiro poderá ter face às recentes alterações de poder e às suas subsequentes réplicas sociais.

A contextualização da secção no programa deste ano é afirmada desde o início: «A 31 de Agosto de 2016 Dilma Rousseff foi afastada do cargo de presidente no decorrer de uma processo de deposição com motivações políticas. A 1 de Janeiro de 2019 Jair Bolsonaro tomou posse da presidência, após umas eleições que dividiram o Brasil e fomentaram uma revisão histórica e o ódio entre as pessoas – com base na raça, orientação sexual, identidade de género, classe, posição ideológica… Que reflexos deste estado de coisas se encontram no cinema?»

«Democracia em Vertigem» (2019), da realizadora Petra Costa, é um documentário «sobre a paisagem governamental do seu país à luz dos presentes volte-faces» e foi acolhido com sucesso no Festival de Sundance (2019). Créditos

Brasil em Transe é o nome escolhido para um programa «composto integralmente por filmes dos últimos 12 meses e realizados por jovens cineastas (vários deles estreantes), que filmam com a urgência que a atmosfera social impõe e atacam o real com as mais variadas ferramentas narrativas. O cinema feito sismógrafo de um país em transe».

Trata-se de um programa de denúncia mas também de uma esperança «que se afirma diante da tormenta que se abateu», de «novos artistas com olhares renovados sobre o mundo» e que, «de câmara em riste, escrevem as histórias (e a História) que se impõem».

O Indie Lisboa presta, através da passagem dos seus filmes, uma homenagem aos cineastas «que ousam fazer cinema em estado de sítio e em estado de alerta». Bem-vindos a Lisboa.

Tópico