|Música

Eborae Mvsica vence Concurso Internacional de Canto em Itália

O Coro Polifónico Ebora Mvsica venceu o Concurso de Canto do VIII Festival Internacional de Coros e Orquestra de Florença, onde obteve dois primeiros prémios e um segundo prémio.

O Coro Polifónico Eborae Mvsica (Eborae Mvsica) foi a Florença para participar no Concurso de Canto do VIII Festival Internacional de Coros e Orquestra que se realizou naquela cidade italiana entre 24 e 27 de Julho.

Trouxe consigo três prémios, dois quais dois primeiros prémios arrebatados nas modalidades de Interpretação e Interpretação de Música Sacra e um segundo prémio na modalidade de Cosros Mistos.

Neste concurso o Coro actuou em diversas salas emblemáticas de Florença. Na cerimónia de abertura do festival esteve no Salone dei Cinquecento – a maior e mais importante sala do histórico Palazzo Vecchio, hoje sede da Câmara Municipal –, na Piazza della Signoria. Durante o concurso actuou no renovado Auditorium di Sant’Apollonia, no convento beneditino com o mesmo nome, e na Basilica di Santa Trinita. Na cerimónia de entrega de prémios e no Concerto Final esteve na Basilica di Santa Croce, jóia máxima do gótico italiano.

Sob a direcção do Maestro Eduardo Martins, o Eborae Mvsica interpretou polifonia de compositores da Escola de Música da Sé de Évora, dos séculos XVI e XVII (Manuel Mendes, Duarte Lobo, Manuel Cardoso, Diogo Dias Melgaz, Estêvão de Brito), de Hans Leo Hassler (1564-1612), de Johannes Brahms (1833-1897), e dos compositores portugueses contemporâneos Fernando Lopes-Graça (1906-1994) e Eurico Carrapatoso (1962).

Eborae Mvsica: quarenta e dois anos de música

O Coro Polifónico da Associação Musical de Évora – EBORÆ MVSICA fez a sua primeira apresentação pública em Setembro de 1987. Nos seus quase 42 anos de actividade interpretou não só a polifonia da Escola de Música da Sé de Évora (séc. XVI e XVII), como também outras obras de diferentes épocas. Além de muitas actuações em diversas localidades de Portugal e no estrangeiro, o Eborae Mvsica participou em todas as edições das Jornadas Internacionais «Escola de Música da Sé de Évora», evento organizado anualmente, em Outubro, pela Associação Musical de Évora.

Antes dos três prémios agora alcançados em Florença, que aumentam o palmarés do grupo e recompensam o trabalho continuado que tem vindo a exercer, o grupo recebido uma medalha de bronze no 10.º Concurso Internacional de Música Sacra de Preveza, Grécia, onde se deslocara para participar no 22.º Festival de Coros daquela localidade grega.

O Coro Polifónico foi dirigido desde o seu primeiro momento, e até Outubro de 1991, pelo seu impulsionador, Dr. Adelino Santos, pessoa ligada há vários anos ao meio musical eborense. A partir de 1991 e até 1997 passou a contar com a regência do Maestro Francisco d’Orey, de mérito reconhecido a nível nacional e internacional. Dirigido entre 1997 e 2013 por Pedro Teixeira, conta desde Maio desse ano com a direcção musical do Maestro Eduardo Martins.

Antes de assumir a direcção do Eborae Mvsicae, Eduardo Martins foi director artístico do Grupo Coral Laudamus desde 1999 e docente musical entre 2003 e 2011. Presentemente frequenta o curso de Direcção Coral e Formação Musical na Escola Superior de Música em Lisboa (ESML), trabalhando com os maestros Paulo Lourenço e Vasco de Azevedo.

Como intérprete foi barítono solo na apresentação do Requiem de Mozart, no teatro Tivoli, pela Nova Orquestra Sinfónica de Lisboa (2010) e em Passio, de Arvo Pärt, com a Orquestra Contemporânea de Lisboa (2013). Participou como cantor no Estúdio de Ópera da ESML, na realização da ópera Paride ed Elena, em parceria com a Companhia Clara Andermatt (2012). Foi ainda coralista no Coro Misto da Universidade de Coimbra entre 2004 e 2008 e no Coro da Associação Musical Ricercare em 2011/2012.

Tópico