«A Última Viagem de Lénine» em Almada

A peça da associação Não Matem o Mensageiro, que estreou em Lisboa há três meses, vai estar em cena no Teatro-Estúdio António Assunção, em Almada, de hoje até domingo, dia 15.

Cartaz de «A Última Viagem de Lénine»
Cartaz de «A Última Viagem de Lénine»Créditos

A associação Não Matem o Mensageiro leva A Última Viagem de Lénine até Almada, mais concretamente ao palco do Teatro-Estúdio António Assunção, onde será exibida hoje e amanhã, às 21h30, e no domingo, às 17h.

Encenada por Mafalda Santos e com interpretação de André Levy, A Última Viagem de Lénine é uma comédia para os «da mó de baixo», baseada num texto original de António Santos, e constitui o terceiro trabalho de uma associação que se apresenta como «o único grupo de teatro político em Portugal».

Desde a sua estreia, que ocorreu a 13 de Outubro do ano passado, no Teatro da Trindade, em Lisboa, a peça já pisou vários palcos do País, com salas cheias e acolhimento caloroso.

Sobre a «viagem», a associação Não Matem o Mensageiro explica que «quando, em 1924, Lénine embarcou no comboio rumo a Lisboa, esperava encontrar um médico que o curasse da doença que lhe destruía o corpo e a mente. O que não esperava, era sair em 2016 e descobrir que, passado um século, o nosso mundo mudou tão pouco».

Cem anos depois da revolução que abalou o mundo, «chega uma peça de teatro político que promete abalar os teatros com uma homenagem à Revolução de Outubro que traz para os nossos dias o verdadeiro Lénine: humano, generoso, destemido e revolucionário», destaca.