Trabalhadores da EMEF defendem integração na CP

Decorre a «Marcha pelo regresso ao futuro» dinamizada pelos trabalhadores da EMEF, que reivindica direitos laborais e a integração plena da empresa no sistema ferroviário nacional. Ontem, uma delegação de 50 trabalhadores entregou uma moção na Câmara Municipal do Entroncamento. Dia 28 de Abril vão a S. Bento.

http://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/emef_19_abril.jpg?itok=GWu1X5ju
Trabalhadores da EMEF lutam pelos postos de trabalho
Trabalhadores da EMEF lutam pelos postos de trabalhoCréditos / União dos Sindicatos de Santarém

A «Marcha pelo regresso ao futuro» está nas ruas desde o passado dia 12 de Abril, sendo um protesto descentralizado, em forma de marcha, nos distritos onde existem estabelecimentos da EMEF.

Ontem decorreu a acção no Entroncamento, onde uma delegação de 50 trabalhadores se deslocou à Câmara Municipal para entregar uma moção aprovada em plenário, exigindo «medidas do poder político que garantam um investimento sério na EMEF enquanto empresa estratégica do sector empresarial do estado», informa a União dos Sindicatos de Santarém (USS/CGTP-IN). Também já se realizaram acções em Vila Real de Santo António e no Porto.

Segundo a Comissão de Trabalhadores e o Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Sector Ferroviário (SNTSF), os trabalhadores exigem o início imediato das negociações da contratação colectiva vigente na empresa, tendo em vista a valorização dos salários (sem aumentos desde 2009) e a actualização das restantes cláusulas de expressão pecuniária.

Também defendem a valorização do subsídio de turno e a negociação do regulamento de carreiras, de forma a abrir perspectivas de progressão profissional, a melhor definir as categorias profissionais e a definir as regras de evolução na carreira profissional.

O fim da precariedade, com os trabalhadores que estão com vínculo precário a serem colocados nos quadros da empresa, e o recrutamento de novos trabalhadores «para permitir o normal funcionamento da empresa», também é defendido pelos manifestantes.

Os trabalhadores continuam a reivindicar a reintegração da EMEF na CP, considerando que «acrescentará valor», não só em termos de construção de material circulante, como ao nível da manutenção do material que existe na CP e que «está muito degradado».

No dia 26 de Abril haverá ainda uma acção no Barreiro e a «Marcha» terminará no dia 28 de Abril, em Lisboa, com uma concentração dos trabalhadores, às 10h30, junto à sede da CP, com desfile para a residência oficial do primeiro-ministro.

0 Comentários

no artigo "Trabalhadores da EMEF defendem integração na CP