|Novo Banco

A meta de 1500 saídas está quase cumprida

Novo Banco «intransigente» em despedimento colectivo

Na apresentação dos resultados de 2016 da instituição financeira, o presidente António Ramalho disse manter-se «intransigente» com os trabalhadores que contestam o despedimento colectivo.

https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/imgonline-com-ua-resize-oghatbghlo.jpg?itok=W2vIMZTV
António Ramalho na apresentação de resultados de 2016, onde revelou que a administração do Novo Banco já empurrou para «reformas induzidas» e «rescisões voluntárias» mais de 250 trabalhadores
António Ramalho na apresentação de resultados de 2016, onde revelou que a administração do Novo Banco já empurrou para «reformas induzidas» e «rescisões voluntárias» mais de 250 trabalhadoresCréditos / Agência LUSA

Em causa estão mais de 30 trabalhadores do Novo Banco envolvidos no despedimento colectivo, que contestaram a intenção judicialmente. De acordo com a Lusa, há mesmo uma decisão em primeira instância a dar razão a um dos trabalhadores.

Na conferência de imprensa em que apresentou prejuízos de mais de 700 milhões de euros, uma melhoria face a 2015, Ramalho disse que os administradores se mantêm «intransigentes» em relação ao processo.

O presidente do Novo Banco afirmou ainda que a meta de despedimentos imposta pelas autoridades europeias – 1500 trabalhadores até Junho – está praticamente preenchida. Só em «reformas induzidas» e «rescisões voluntárias», saíram 268 bancários da instituição durante o ano passado.

0 Comentários

no artigo "Novo Banco «intransigente» em despedimento colectivo