Os seis homens mais ricos do mundo têm uma fortuna que é o dobro do PIB português

Três multimilionários portugueses pagavam juros da dívida

Os três mais ricos de Portugal detêm um património avaliado, pela revista Forbes, em 8 mil milhões de euros – quase tanto como o serviço da dívida pago pelo Estado no ano passado.

http://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/imgonline-com-ua-resize-ynq81tn6w7wgbvgg.jpg?itok=1iO-Fp4b
Américo Amorim, dono da Corticeira Amorim e o maior accionista da Galp, é considerado o português mais rico pela revista «Forbes», com fortuna avaliada em 4 mil milhões de euros
Américo Amorim, dono da Corticeira Amorim e o maior accionista da Galp, é considerado o português mais rico pela revista «Forbes», com fortuna avaliada em 4 mil milhões de eurosCréditosJosé Coelho / Agência LUSA

A lista «Os bilionários do Mundo» inclui Américo Amorim, Alexandre Soares dos Santos e Belmiro de Azevedo. A revista estima o seu património conjunto em 8,6 mil milhões de dólares (cerca de 8 mil milhões de euros), o equivalente a 4,3% do Produto Interno Bruto (PIB) português em 2016.

Américo Amorim é dono da Corticeira Amorim, assim como é o maior accionista da Galp. Após registar os maiores lucros de sempre na corticeira através da alienação da participação numa empresa norte-americana e de vender 5% do capital da Galp por 500 milhões de euros, continua no cimo dos mais ricos, com uma fortuna avaliada em 4,1 mil milhões de euros.

Foi um dos grandes beneficiários do processo de privatizações, seja através da compra de mais de 30% do capital da Galp ou da participação na criação de dois dos maiores bancos privados portugueses, o BPI e o BCP.

A fortuna do dono do Pingo Doce, Alexandre Soares dos Santos, é estimada em 2,5 mil milhões de euros. Para além da cadeia de supermercados em Portugal, detém ainda a Biedronka (Polónia) e a Ara (Colômbia), assim como o Recheio, no sector do retalho.

Com a decisão de transferir o controlo sobre as suas empresas para a Holanda, aproveitando o regime fiscal mais favorável, ao mesmo tempo que defendia as políticas da troika, ganhou mediatismo. No entanto, não é o único a recorrer a esse esquema: também Amorim detém parte das suas empresas através da Holanda.

Belmiro de Azevedo é dono da Sonae, o grupo de que fazem parte os hipermercados Continente, e tem um património avaliado em 1,4 mil milhões de euros. Para além de várias cadeias de retalho, detém metade da Sonae Sierra, dona de mais de 40 centros comerciais, e 23,4% da NOS, operadora de telecomunicações criada por fusão da Optimus com a ZON. É ainda dono do jornal Público.

Do top-6 da lista divulgada hoje constam os norte-americanos Bill Gates (Microsoft), Warren Buffet, Jeff Bezos (Amazon) e Mark Zuckerberg (Facebook), assim como o espanhol Amancio Ortega (Zara) e o mexicano Carlos Slim (America Movil). Em conjunto, detêm uma fortuna avaliada em 416 mil milhões de dólares, cerca de 387 mil milhões de euros – mais de o dobro do PIB português em 2016.

0 Comentários

no artigo "Três multimilionários portugueses pagavam juros da dívida